DA CATÁSTROFE À LIBERTAÇÃO: a arte e a brincadeira na obra de Walter Benjamin

Allan André Lourenço

Resumo


O presente artigo propõe uma análise de mão dupla sobre alguns aspectos da modernidade na obra de Walter Benjamin. Em um primeiro momento, investigam-se os processos resultantes da depreciação da arte e do brinquedo pela técnica moderna e de seus respectivos impactos sociais (na arte, nota-se o processo de estetização política, decorrente da perda da aura artística; no brinquedo, por sua vez, ocorre o estranhamento da criança diante da industrialização dos mesmos). Por conseguinte, propõe-se ir além das críticas benjaminianas ao estado atual desses processos, concebendo "“ em afinidade com Benjamin - que a brincadeira e a arte atuam como possibilidades de libertação em meio ao processo infernal do capitalismo moderno. Para tanto, utilizamo-nos do referencial teórico de Giorgio Agamben, em especial dos conceitos de profanação e secularização, fonte geradora de uma análise dialética da modernidade.

PALAVRAS-CHAVE: Arte. Brincadeira. Giorgio Agamben. Modernidade; Walter Benjamin.

FROM THE CATASTROPHE TO FREEDOM:

the art and the toy on the work of Walter Benjamin

ABSTRACT

The current article proposes a two way analysis about some aspects of modernity at Walter Benjamin's work. In a first moment, resulting procedures of art's depreciation and of toy by modern techniques are investigated as well as its social impacts (On art, we note the process of political aestheticisation, caused by the lost of artistical aura; on toy, in turn, happens the strangeness of the children in face of its industrialization). Consequently, we propose to go forward Benjamin's critics to current state of this processes, conceiving that play and art act as possibilities of freedom in the infernal process of modern capitalism. For this purpose, we use the theory from Giorgio Agamben, in special his concepts of desecration and secularization, generating source of a dialectics analysis of modernity.

KEYWORDS: Art; Play; Giorgio Agamben; Modernity; Walter Benjamin.


Palavras-chave


Arte, Brincadeira, Giorgio Agamben, Modernidade, Walter Benjamin

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2008.

________. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. São Paulo: Companhia das letras, 2008.

ARGAN, Giulio Carlo. A arte moderna na Europa: de Hogarth a Picasso. São Paulo: Companhia das letras, 2010.

BARTHES, Roland. Brinquedos. In: Mitologias. 11 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BAUDELAIRE, Charles. Pequenos poemas em prosa. 2 ed. São Paulo: Hedra, 2011.

BENJAMIN, Walter. Capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo, 2013.

________. Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense, 1987.

________. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2002.

________. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

________. Documentos de cultura, documentos de barbárie: escritos escolhidos. São Paulo: Cultrix (USP), 1986.

BRETON, André. Manifestos do surrealismo. Rio de Janeiro: Nau, 2001.

D"™ANGELO, Martha. Arte, política e educação em Walter Benjamin. São Paulo: Loyola, 2006.

HAUSER, Arnold. História social da literatura e da arte. 2 ed. São Paulo: Mestre Jou, 1972.

KONDER, Leandro. Os marxistas e a arte. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

LÖWY, Michael. Romantismo e messianismo: ensaios sobre Lukács e Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2008.

________. A estrela da manhã: surrealismo e marxismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.