"FAÇA O QUE VOCÊ AMA": uma reflexão teórica sobre o desejo e o trabalho no pós-fordismo

Breilla Valentina Barbosa Zanon

Resumo


O processo de reestruturação pela qual passou a economia capitalista ao final do século XX refletiu sobre o mundo do trabalho. Reivindicações críticas ao modo capitalista de produção são incorporadas pelo mesmo sistema, contribuindo para a constituição de um novo espírito do capital e perfil de trabalhador, fundamentais para a organização do trabalho a partir de então. O desejo e a subjetividade dos trabalhadores passam a ser tanto produto quanto matéria-prima das agendas empresariais e o imperativo "faça o que você ama" passa a dar base para novas formas de exploração e controle do trabalho. Nossa reflexão tem como intuito partir desse novo mantra para refletir sobre a necessidade de intensificar o diálogo entre as dimensões simbólicas e materiais sobre a construção das subjetividades e sua relação com o mundo do trabalho dentro do pensamento teórico-social contemporâneo.

PALAVRAS-CHAVE: Pós-fordismo. Novo espírito do capitalismo. Subjetividade. Biopolítica.

"DO WHAT YOU LOVE":

a theoretical reflection on desire and work in the postfordism

ABSTRACT

The restructuring process which has passed the capitalist economy at the end of the twentieth century reflected on the world of work. Critical claims of the capitalist mode of production are incorporated by the same system, contributing to the creation of a new spirit of capital and a new employee profile, both fundamental to the organization of work from then on. The desire and subjectivity of workers become both the product and the raw material of business agendas and the imperative "do what you love" starts giving a basis for new forms of exploitation and control of labor. Our reflection has the intention to start from this new mantra to reflect on the need of intensifying the dialogue between the symbolic dimensions and materials on the construction of subjectivities and its relation to the world of work within the contemporary theoretical and social thought.

KEY-WORDS: Postfordism. New capitalism spirit. Subjectivity. Biopolitics.


Palavras-chave


Pós-fordismo; Novo espírito do capitalismo; Subjetividade; Biopolítica

Texto completo:

PDF

Referências


ALBORNOZ, Suzana. Atração passional, trabalho e educação em O novo mundo industrial e societário (1829), de Charles Fourier. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 1-19, 2007.

ARRAIS, Dani; CASTRO, Bárbara. A armadilha do "faça o que você ama", 2014. Disponível em: . Acesso em 16 dez. 2014.

BARBOSA, Attila Magno e Silva. O empreendedor de si mesmo e a flexibilização no mundo do trabalho. In: Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 19,38: 121-140, 2011.

BARROS, José D´Assunção. Os fanlanstérios e a crítica da sociedade industrial: revisitando Charles Fourier. Mediações, Londrina, v. 16, n. 1, p. 239-255, 2011.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. Volume I. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. 2º ed. São Paulo: Editora 34, 2011.

FOURIER, Charles. Le nouveau monde industriel et sociétaire. Paris: Flammarion, 1973.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GUATTARI, Félix. Micropolítica: cartografias do desejo. 4º ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

GUATTARI, Félix. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. 3º ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 23º ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

MARCUSE, Hebert. Teoria das pulsões e liberdade em Fromm, Erich; Miller, Karl; LEVEBVRE, Henri; MALLET, Serge; MARCUSE, Hebert; Marcuse polêmico. Lisboa: Presença, p.101-147, 1969.

LINHART, Danièle. La emergencia de una «precariedad subjetiva» en los asalariados estables. In: Crisis y precariedad vital. Trabajo, prácticas sociales y modos de vida em Francia y Espanã. Benjamín Tejerina, Beatriz Cavia, Sabine Fortino y José Ángel Calderón -(Editores). Valencia: Tirant LO Blanch, 2013.

MARX, Karl. O fetichismo da mercadoria. In: O Capital. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, p. 92-105 (Vol. 1), 2004.

OHNO, Taiichi. O sistema Toyota de produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

PELBART, Peter Pal. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

SAHLINS, Marshall. Ilhas de história. 2º ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

SILVA, Rogério Ramalho da. Home-officer: um surgimento bem sucedido da profissão pós-fordista, uma alternativa positiva para os centros urbanos. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, Curitiba, v. 1, n.1, p. 85-94, 2009.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 14º ed. Rio de Janeiro: Record, 2009.

STANDING, Guy. O Precariado: a nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

ZARIFIAN, Philippe. "Engajamento subjetivo, disciplina e controle". Novos Estudos Cebrap, 64, 2002, p.23-31.

ŽIŽEK, Slavoj. Primeiro como tragédia, depois como farsa. São Paulo: Boitempo, 2011.

VÍDEOS

Movimento empreenda: vídeos de inspiração. Vídeo (2min06s). Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2014.

Steve Jobs. The Biography.com website. Vídeo (3min39s). Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2014.

Steve Jobs Discurso Stanford Completo e Legendado. Vídeo (14min41s). Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=s9E6XfJPAMM > . Acesso em: 16 dez. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.