ALGUMAS REFLEXÕS EM TORNO DOS CONCEITOS DE HABITUS, CAMPO E CAPITAL CULTURAL

Geraldo Andrade Fagundes

Resumo


Este artigo apresenta um recorte dos estudos teóricos realizados pelo autor para sua dissertação de mestrado na área da Educação. O frequente emprego dos conceitos de Pierre Bourdieu em pesquisas na área da Educação demonstra o quanto ele tem influenciado a produção acadêmica no campo educacional. Assim, este trabalho teve como objetivo refletir a teoria e a prática com ênfase na obra de Bourdieu em relação às noções de habitus, campo e capital cultural. A reflexão revela a escola como instituição fundamental no processo de reprodução cultural ao dissimular as condições em que esse processo acontece, contribuindo como instrumento ideológico. Nesse sentido, buscou-se estabelecer, com esses conceitos, uma melhor compreensão do mundo cultural da escola que o compõe, suas hierarquias e lutas internas, colocando em evidência os aspectos culturais desse campo social e as suas relações de poder.

PALAVRAS-CHAVE: Escola. Habitus. Campo. Capital cultural.

REFLECTIONS AROUND HABITUS CONCEPTS, FIELD AND CULTURAL CAPITAL

ABSTRACT

This article presents a section of the theoretical studies done by the author for his masters thesis in the field of Education.The frequent use of Pierre Bourdieu"™s concepts in studies in the area of Education demonstrates how much he has been influencing academic production in Education. Thus, this study aims at reflecting upon theory and practice with an emphasis on Bourdieu"™s work in relation to the notions of habitus, field and cultural capital. Such reflection revealed the school as a fundamental institution in the process of cultural reproduction by dissimulating the conditions in which this process happens, contributing as an ideological instrument. In this context, this work sought to establish, with these concepts, an understanding of the cultural world that the school is part of, its hierarchies and internal struggles, by putting into evidence the cultural aspects of this social field and its power relations.

KEYWORDS: School Habitus. Field. Cultural Capital.


Palavras-chave


escola habitus. campo. capital cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, P. As razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 2008

______. Poder Simbólico. Lisboa: Difel, 1989. 311 p. BOURDIEU, P. Coisas Ditas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990. 234 p.

______. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

______. O senso prático. Paris: Éditions de Minuit, 1980.

______. Mediações Pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

______. Coisas Ditas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990. 234 p.

______. O Campo Científico. In: Ortiz, Renato (org.). Coleção Grandes Cientistas Sociais, n 39, Editora Ática, São Paulo, 1983.

______. A Distinção: crítica social do julgamento. Trad. Daniela Kern; Guihlherme J. F. Teixeira. São Paulo: Edusp, 2013.

______. Esboço de uma Teoria da prática. In: BOURDIEU, Pierre (Org.). Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

______. Questions de sociologie. Paris. Éditions de Minuit, 1980º.

BOURDIEU, P., PASSERON, 1. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

CATANI A M. As possibilidades analíticas da noção de campo social. Educ. Soc., vol. 32, no. 114. Campinas, Jan./Mar. 2011.

CERTEAU, M. de; GIARD, L.; MAYOL, P. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1994.

FORQUIN, J. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Tradução: Guacira Lopes Louro. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora LTC, 1989.

LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Ática, 1997.

PIOTTO, D. C. A escola e o sucesso escolar: algumas reflexões à luz de Pierre Bourdieu. 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 de junho de 2014.

MARTINS, Carlos Benedito. Sobre a noção da prática: novos Estudos. São Paulo: CEBRAP, março 2002, nº 62, p.163-181.

NOGUEIRA, C. M. M.; NOGUEIRA, M. A. A sociologia da educação de Pierre Bourdieu: limites e contribuições. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 78, p. 15-35, abr. 2002.

___________. Tendências atuais na Sociologia da Educação. Leituras & imagens. UDESC-FAED, 1995.

SETTON, M. G. J. Uma introdução a Pierre Bourdieu. 2010. Disponível em:

Acesso em: 12 de junho de 2014.

SETTON, Maria da Graça Jacintho. Um novo capital cultural "“ pré-disposições e disposições à cultura informal nos segmentos populares. Intercom "“ Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2003, Belo Horizonte. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302005000100004


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.