Guiné-Bissau: a educação para a liberdade (1963-1973)

Calilo Fati

Resumo


O presente artigo tem por objetivo compreender a educação básica criada pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e de Cabo Verde (PAIGC), a partir do contexto da luta armada nas chamadas Zonas Libertadas da Guiné durante o período de 1963-1973 O procedimento teórico e metodológico utilizado para a redação deste artigo se deu por meio da pesquisa bibliográfica, na qual levei em consideração várias abordagens de autores e de pesquisasque vêm debatendo a questão da educação na Guiné, fundamentando-se em autores como Freire (1978), Cá (2008; 2010), Fanda (2013), Habte e Wagaw (2010) e Fanon (1980).Concluiu-se que o projeto educativo do PAIGC nas Zonas Libertadas com ênfase na educação básica foi de suma importância para o país durante a luta armada pela independência nacional, uma vez que, com a experiência educativa da escola-piloto, o PAIGC conseguiu se contrapor `a ideologia do sistema da educação colonial portuguesa e implementou o seu próprio sistema educativo durante a ocupação colonial e pós-independência nacional.

Palavras-chave:Educação Básica. Luta Armada. Zonas Libertadas. Escola-Piloto. Guiné-Bissau.

 

Abstract

This paper aims to understand the basic education created by the African Party for the Independence of Guinea and Cape Verd (PAIGC), from the context of the armed struggle in the so-called Liberated Zones of Guinea during the period 1963-1973. The theoretical and methodological procedure used for the writing of this article was carried out through a bibliographical research, in which I took into account several approaches of authors and research that have been debating the issue of education in Guinea, based on authors such as Freire (1978 ), Cá (2008; 2010), Fanda (2013), Habte & Wagaw(2010); and Fanon (1980). It was concluded that the PAIGC educational project in the Liberalized Zones with emphasis on basic education was of great importance for the country during the armed struggle for national independence, since, with the educational experience of the pilot school, PAIGC was able to counter ideology of the Portuguese colonial education system and implemented its own educational system during colonial and post-national independence.

Key-words:Basic Education. Armed struggle. Liberated Zones. Pilot School.


Palavras-chave


Educação Básica. Luta Armada. Zonas Libertadas. Escola-Piloto. Guiné-Bissau.

Texto completo:

PDF

Referências


CABRAL, Amílcar. A arma da teoria: unidade e luta. Seara Nova, vol. I. 1976.

CÀ, Lourenço Ocuni. A constituição da política do currículo na Guiné-Bissau e o mundo globalizado. Cuiabá: EdUFMT/CAPES, 2008.

_________________. Estado: políticas públicas e gestão educacional. Cuiabá: EdUFMT, 2010.

DAVIDSON, Basil. A libertação da Guiné: aspectos de uma revolução africana. NôPintcha, 1975.

FREIRE, Paulo. Cartas a Guiné-Bissau: registros de uma experiência em processo. 4º ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.