MULHER NOVA, BONITA E CARINHOSA: uma análise de conteúdo da revista Ludovica

Kelly Cristiny Martins Evangelista, Tadeu João Ribeiro Baptista

Resumo


O presente trabalho busca compreender o conceito de beleza feminina presente na revista goiana Ludovica por meio das fotografias da revista e da coluna de beleza. Pensar a relação entre corpo feminino e gênero na atualidade é relevante, visto que o corpo é um lugar de intervenções, disciplinas, cuidados e também violências. A metodologia escolhida para a temática foi a análise de conteúdo de cinco edições do ano de 2016. Os dados mostraram que a revista apresenta um arquétipo corporal de mulher branca, jovem, magra e com poder aquisitivo razoável, atualizando e repetindo padrões explorados pela indústria cultural. A revista envolve uma série de artifícios para conformar o conceito de corpo e de beleza, trabalha na conformação de identidade e define condições de visibilidade ao utilizar intensa exposição do corpo e envolver intensa circulação de mercadorias.

PALAVRAS-CHAVE: Corpo e Gênero. Mulher. Beleza. Consumo.

YOUNG WOMAN, BEAUTIFUL AND LOVING:

a content analysis of magazine Ludovica

ABSTRACT

The present work seeks to understand the concept of feminine beauty present in the magazine Ludovica regional through the photographs of the magazine and the beauty column. Thinking about the relationship between the female body and gender is relevant today, since the body is a place for interventions, disciplines, care and also violence. The methodology chosen for the subject was the content analysis of five editions of the year 2016. The data showed that the magazine presents a body archetype of a young, lean, and reasonably purchasing white woman, updating and repeating patterns explored by the cultural industry. The magazine involves a series of artifices to conform the concept of body and beauty, works on the conformation of identity and defines conditions of visibility, using an intense exposure of the body, involving an intense circulation of goods.

KEYWORDS: Body and Gender. Women. Beauty. Consumption.


Palavras-chave


Corpo e Gênero. Mulher. Beleza. Consumo.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Teoria estética. Trad. de Artur Morão. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ADORNO, T. W. ; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: edições 70, 2011.

BAPTISTA, T. J. R. A educação do corpo na sociedade do capital. Curitiba: Aprris, 2013.

em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e BOSI, A. Fenomenologia do olhar. In: NOVAES, A. et al. O olhar. São Paulo: Campanha das letras, 1989.

BOTURA, P. As cidades brasileiras com as mulheres mais bonitas. Fatos desconhecidos. 2014. Disponível em: . Acesso: 09/08/2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BIRMAN, J. Sou visto, logo existo: a visibilidade em questão. In: BIRMAN, J. HAROCHE, Claudine. Tiranias da visibilidade: o visível e o invisível nas sociedades contemporâneas. São Paulo: Fap Unifesp, 2013.

FERREIRA, C. Não é mágica: para um resultado perfeito, conheça os cuidados e dicas para fugir das complicações das cirurgias plásticas. In: LUDOVICA. Goiânia, n. 16, Grupo Jaime Câmara. p. 46-48, julho, 2016.

GOELNER, S. V. Bela, maternal e feminina: imagens da mulher na Revista, Educação Physica. 187 p. Tese (doutorado em educação) "“ Universidade Estadual de Campinas. São Paulo, 1999.

HAROUCHE, C. A invisibilidade proibida. In: BIRMAN J., Nicole. HAROCHE, Claudine. Tiranias da visibilidade: o visível e o invisível nas sociedades contemporâneas. São Paulo: Fap Unifesp, 2013.

IZAC, Marianne. Foco na dieta: emagrecer não é fácil: exige muita determinação e só depende de você. In: LUDOVICA. Goiânia, n. 10, Grupo Jaime Câmara. p. 55-56, janeiro, 2016.

LUDOVICA. Verão fresh: os maiôs e biquínis que estão com tudo na estação. Goiânia, n. 10, Grupo Jaime Câmara. Janeiro, 2016.

__________. Especial noivas: todos os detalhes para o grande dia. Goiânia, n. 14, Grupo Jaime Câmara. Maio, 2016.

__________. Cleo Pires: com a maturidade penso duas vezes antes de fazer algo. Goiânia, n. 15, Grupo Jaime Câmara. Junho, 2016.

__________. Ensaio newborn babycat. Goiânia, n. 16, Grupo Jaime Câmara. Julho, 2016.

__________. Estilo no trabalho: inspiração de looks papa diferentes ambientes. Goiânia, n. 17, Grupo Jaime Câmara. Agosto, 2016.

__________. Curvas da aceitação. Os depoimentos de mulheres que superam que os traumas com o espelho e decidiram que a felicidade estava em se aceitar. In: LUDOVICA. Goiânia, n. 15, Grupo Jaime Câmara. p. 68-70, junho, 2016.

MARX, K. ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. 9 ed. Vozes, Petrópolis - Rio de Janeiro, 1999.

MIRANDA-RIBEIRO, P; MOORE, A. Papéis de gênero e gênero no papel: uma análise de conteúdo da revista Capricho 2001, 2002. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2003. Disponível em: . Acesso: 06/08/2016.

MATOS, A. A.; LOPES, M. F. Corpo e gênero: uma análise da revista TRIP para a mulher. Estudos Feministas, Florianópolis, janeiro-abril, 2008. Disponível em: . Acesso: 09/08/2016.

MOTA-RIBEIRO, S. Corpos visuais: imagens do feminino na publicidade. In: Macedo, A. & Grossegesse, Re-presentações do Corpo. Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, 2003. Disponível em < http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/5309>. Acesso: 11/08/2016.

NOVAES, J. V; VILHENA, J. De Cinderela a moura torta: sobre a relação mulher, beleza e feiúra. Interações. v. 8, n.15. São Paulo: jun, 2003. Disponível em: . Acesso: 03/08/2016.

OS TRÊS PODERES. Beleza da mulher goiana, mais uma vez, ganha destaque no Brasil e no mundo. Revista os três poderes: um novo conceito em informação. 2016. Disponível em: < http://www.revistaostrespoderes.com.br/colirio/2016-06-30-21-41-45.html >. Acesso: 08/08/2016.

PIMENTEL, R. C. ; BAPTISTA, T. J. R. Modelos de saúde e estética: uma análise das capas da revista Playboy brasileira em 2012. Tempos e espaços em educação. v.7. n 13. Maio/agosto, 2014. Disponível em: . Acesso: 07/08/2016.

PISCITELLI, A. Recriando a (categoria) mulher? In: ALGRANTI, L. (Org.). A prática feminista e o conceito de gênero. Textos Didáticos, n. 48. Campinas: IFCH/Unicamp, 2002, p. 7-42.

SANTANA, L. Olheiras: o que fazer? In: LUDOVICA. Goiânia, n. 10, Grupo Jaime Câmara. p. 45-49, janeiro, 2016.

SOARES, C. L. Corpo, conhecimento e educação: notas esparsas. Soares, C. L. (Org.). Corpo e história. Campinas: Autores Associados, 2004.

SANTAELLA, L. Corpo e comunicação: sintoma da cultura. São Paulo: Papiros, 2004.

SILVA, M. J. Goiás é o terceiro em cirurgias plásticas: estado perde apenas para São Paulo e Rio de Janeiro segundo a SBPC. O popular. Vida urbana, 2014. Disponível em: http://www.opopular.com.br/editorias/vida-urbana/goi%C3%A1s-%C3%A9-3%C2%BA-em-cirurgia-pl%C3%A1stica-1.644821. Acesso: 16/08/2016.

SOULAGES. François. Estética da fotografia: perda e permanência. Senac São Paulo: São Paulo, 2010.

SWAIN, T. N. Feminismo e representações sociais: a invenção das mulheres nas revistas "femininas". História: Questões & Debates, Curitiba, n. 34, UFPR p. 11-44, 2001.

TIRABOSQUI, L. Revista Ludovica está nas bancas. Ludovica. Disponível em: . Acesso: 03/08/2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.