MERITOCRACIA E HERANÇA CULTURAL: uma abordagem sobre a educação pública do Rio de Janeiro

Amanda André de Mendonça, Alana Rafaelle Pereira, Ivan Luis Melo

Resumo


Este artigo é fruto de uma pesquisa de iniciação científica da Universidade Estácio de Sá e aborda a de forma crítica a relação da instituição escolar com o conceito de Capital Cultural. A proposta desenvolvida ainda problematiza a ideia de meritocracia e aponta para a transmissão/reprodução da herança cultural como fator preponderante para o desempenho escolar de alunos e alunas. Para tal foi realizada uma investigação empírica em três escolas da rede municipal do Rio de Janeiro, onde através de uma metodologia qualitativa foi possível explorar sob a perspectiva de estudantes, docentes e gestores como esta relação envolvendo o capital cultural e desempenho destes alunos e alunas se constroem no cotidiano escolar.

PALAVRAS-CHAVE: Meritocracia, Herança cultural, Desigualdade escolar, Capital cultural e Desigualdade social.

MERITOCRACY AND CULTURAL HERITAGE:

an approach to public education in Rio de Janeiro

ABSTRACT

This article is the result of a scientific initiation research from Estácio de Sá University and critically the relation of the school institution to the concept of Cultural Capital. The proposal developed still problematizes the idea of meritocracy and points to the transmission / reproduction of cultural heritage as a preponderant factor for the school performance of students. For that, an empirical investigation was carried out in three schools of the municipal system of Rio de Janeiro, where through a qualitative methodology were possible to explore from the perspective of students and teachers and managers as this relation involving the cultural capital and performance of these students are built in school daily.

KEYWORDS: Meritocracy, Cultural heritage, School inequality, cultural capital and social inequality.


Palavras-chave


Meritocracia, Herança cultural, Desigualdade escolar

Texto completo:

PDF

Referências


BORDIEU, P. Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

___________. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz, 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand.Brasil, 2007.

BRANDÃO. Z. Elites acadêmicas e escolarização dos filhos. Educ. Soc. Campinas, vol. 24, n. 83, p. 509-526, agosto 2003.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: Elementos para uma teoria. Educ. Soc., Campinas, vol. 24, n. 83, p. 509-526, agosto 2003.

NOGUEIRA, M. A. A sociologia da educação de Pierre Bourdieu: limites e perspectivas. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 78, Abril/2002. ZAIA

BARBOSA, M. Ligia O. Desigualdade e Desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira. 1. ed. Belo Horizonte: Argumentum Editora, 2009. v. 1. 272p.

ALMEIDA, Ana Maria F. A Noção de Capital Cultural é Útil para se Pensar o Brasil?. In: Nadir Zago; Lea Paixão. (Org.). Sociologia da Educação Brasileira: Pesquisa e Realidade Brasileira. 1ed.Petrópolis: Vozes, 2007, v. 1, p. 44-59.

CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Educação e deslocamento: resultados da amostra. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/545/cd_2010_educacao_e_deslocamento.pdf Acesso em: fev.2017.

PAINEL REGIONAL. Rio de Janeiro e bairros. Observatório SEBRAE/RJ: Os pequenos negócios em foco. Rio de Janeiro: SEBRAE, 2015. Disponível em: https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/RJ/Anexos/Sebrae_INFREG_2014_CapitalRJ.pdf. Acesso em: fev. 2017.

CAVALLIERI, F, LOPES, G. P. Coleção Estudos Cariocas. Índice de desenvolvimento social "“ IDS: comparando as realidades microurbanas da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: http://portalgeo.rio.rj.gov.br/estudoscariocas/download/2394_%C3%8Dndice%20de%20Desenvolvimento%20Social_IDS.pdf. Acesso em: fev. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.