Raymond Murray e a Sociologia Católica no Brasil: notas sobre um manual da década de 1940

Marcelo Pinheiro Cigales

Resumo


A institucionalização da sociologia no Brasil se desenvolveu a partir das pesquisas científicas propiciadas pela criação das primeiras universidades brasileiras, e pela inserção da disciplina nas modalidades do ensino secundário, normal e superior. A disputa entre os intelectuais católicos e liberais marcou o período e caracterizou o desenvolvimento de distintas concepções sociológicas, entre elas a chamada "sociologia católica". De certa forma, a Igreja não queria perder a legitimidade do discurso sobre a sociedade, tendo que mobilizar seus intelectuais na construção de uma sociologia que fosse na esteira de seus princípios. Tendo como fundo a discussão mais ampla sobre a inserção dessa concepção de sociologia no país, este trabalho visa descrever e analisar a primeira parte do manual "Introdução à Sociologia" escrito por Raymond Murray, autor católico e norte-americano, traduzido para o português em 1947 e publicado pela editora Artes Gráficas Indústrias Reunidas (AGIR). A metodologia se apoia na pesquisa qualitativa de análise documental. Entre os principais resultados destaca-se a busca por legitimidade dessa concepção de sociologia, dentro do campo educacional e científico, refletido na tradução de um manual da sociologia católica norte-americano. Em relação ao manual propriamente dito, percebe-se uma normatização das ideias sociológicas que (re)afirmam a relevância da moral católica para o ensino da disciplina nos espaços sociais, principalmente no campo educacional sob o domínio da Igreja.


Palavras-chave


Ensino de sociologia, História da sociologia no Brasil, Sociologia católica, História dos manuais didáticos de sociologia, Pensamento Social Católico.

Texto completo:

PDF

Referências


ATHAYDE, Tristão de. Preparação à Sociologia. 2º edição. Rio de Janeiro: Editora Getúlio Vargas, 1942.

BARGA, Michael. Monsignor William Joseph Kerby (1870-1936): Writer, Sociologist, Catholic Social Work Organizer. The Social Welfare History Project. [s.d]. Disponível em . Acesso em 25 de junho de 2015.

BITTENCOURT, Agueda Bernardete. O livro e o selo: editoras católicas no Brasil. Pro-posições, Dossiê Catolicismo e Formação Cultural. Campinas. V. 25, n. 1. p. 31-54, 2014.

BURKE, Peter. Gilberto Freyre e a Nova História. Tempo Social. USP: São Paulo, n. 9, v. 2. p. 1-12, 1997.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean. (Org.). A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. p. 295-316.

CHOPPIN, Alain. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa. v. 30, n. 3, p. 549-566, 2004.

CIGALES, Marcelo Pinheiro. A sociologia educacional no Brasil (1946-1971): Análise sobre uma instituição de ensino católica. 2014. 150f. Dissertação (Mestrado em Educação) "“ Programa de Pós-gradução em Educação, Instituto de Ciências Humanas, UniversidadeFederal de Pelotas, Pelotas, 2014a.

_______________________. O Ensino da Sociologia no Brasil: Perspectiva de análise a partir da História das Disciplinas Escolares. Revista Café com Sociologia, v. 3, n. 1, p. 49-67, 2014b.

_______________________. Dilemas da sociologia no Brasil: análise sobre os manuais escolares de Amaral Fontoura e Fernando de Azevedo. Revista Alabastro, v. 2, n. 4, p. 65-78, 2014c.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Ideologia e educação brasileira: católicos e liberais. São Paulo: Cortez e Moraes, 1978.

DAROS, Maria das Dores; PEREIRA, Elaine Aparecida Teixeira. A sociologia cristã e o pensamento de Alceu Amoroso Lima em um colégio católico de formação de professoras em Santa Catarina. Revista brasileira de história da educação. Maringá-Paraná. V. 15. n. 1. p. 235-267, 2015.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

____________. O processo civilizador: formação do Estado e Civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

KANE, John J. Are Catholic Sociologists a Minority Group? The American Catholic Sociological Review. Vol. 14, No. 1 (Mar., 1953), pp. 2-12.

MEUCCI, Simone. A Institucionalização da Sociologia no Brasil: os primeiros manuais e cursos. 2000. 158 p. Dissertação (Mestrado em Sociologia) Departamento de Sociologia. Universidade Estadual de Campinas-SP: IFCH-UNICAMP, 2000.

MICELI, Sérgio (org.). História das Ciências Sociais no Brasil. Volume I. São Paulo: Vértice: IDESP, 1989.

MONTERO, Paula. O papel das editoras católicas. In: SANCHIS, Pierre (Org.). Catolicismo: modernidade e tradição. São Paulo: Loyola, 1992.

MURRAY, Raymond. W. Introductory Sociology. New York: Crofts, 1935.

MURRAY, Raymond. W. Introdução à Sociologia. Rio de Janeiro: AGIR, 1947.

PAUGAM, Serge. Historie de la sociologie. Revue française de sociologie. 1993, 34 - 4. p. 657-671.

PEREYRA, Diego. Razón y Fe. Recorridos y tradiciones de la sociología en la Universidad Católica Argentina (1959- 1984). In: VII Jornadas de Sociologia de la UNLP. Mesa 7. Historia de Cronopios y de famas. 2012.

PEIRANO, Mariza G. S. A Antropologia como ciência social no Brasil. Etnográfica, v. 4, n. 2, p. 219-232, 2000.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da; ECKERT, Cornelia. Etnografias: saberes e práticas. Iluminiras, Porto Alegre, UFRGS, v.9 n. 21, p. 1-22, 2006.

ROSENFELDER, Richard M. A History of the American Catholic Sociological Society from 1938 to 1948. Master's Theses. Loyola University Chicago, 1948.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2010.

SERRY, Hervé. Saint Thomas Sociologue? Les enjeux cléricaux d'una sociologiecatholique dans les années 1880-1920. Actes de la Recherche en Sciences Sociales. 2004/3 (nº153). p. 28-40.

THE GUARDIAN. Early American Culture Uncovered by Expedition. September 18, 1937, p. 7. Disponível em . Acesso em 20 de junho de 2015.

XAVIER, Libânia Nacif. Para Além do campo educacional: um estudo sobre o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932). Bragança Paulista: EDUSF, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.