O Ensino da Sociologia no Brasil: Perspectiva de análise a partir da História das Disciplinas Escolares

Marcelo Pinheiro Cigales

Resumo


A história do ensino da sociologia ainda desperta pouca atenção dos sociólogos e historiadores no Brasil, visto a pequena produção de dissertações e teses do tema nos Programas de Pós-graduação do país. Porém na Europa já existe uma preocupação que é cada vez mais crescente entre os professores de conhecer a trajetória histórica de suas disciplinas. Justamente com essa preocupação que se desenvolveu a História das Disciplinas Escolares - HDE. Conforme Jean-Claude Forquim a HDE tem entre seus objetivos contribuir para desnaturalizar a percepção de que "tudo sempre foi assim", mostrando que nas disciplinas escolares, os conteúdos, programas, livros e perfil dos docentes, estão vinculados de um lado, na configuração de um campo escolar específico e de outro, na configuração de um campo social caracterizado pela coexistência de grupos sociais com interesses divergentes e com postulações ideológicas e culturais heterogêneas, para os quais a escolarização constitui um trunfo social, político e simbólico. Partindo dessa visão, este artigo busca compreender algumas características da formação da disciplina de sociologia no Brasil. A metodologia esta baseada na revisão bibliográfica sobre o tema. Entre os principais resultados podemos considerar que a disciplina de sociologia teve início ainda no século XIX, no entanto, seu estudo sistematizado e corporificado em disciplina escolar deu-se a partir do final da década de 1920, quando foi introduzida no currículo do ensino secundário. Desde então houve uma maior produção de livros didáticos tanto por intelectuais ligados a Igreja Católica como Alceu Amoroso Lima quanto pelos representantes da Escola Nova, com destaque para Fernando de Azevedo.


Palavras-chave


Ensino de Sociologia, História das Disciplinas Escolares, Escolanovismo, Igreja Católica.

Texto completo:

PDF

Referências


ATHAYDE, Tristão de. Preparação à Sociologia. 2º edição. Rio de Janeiro: Editora Getúlio Vargas, 1942.

AZEVEDO, Fernando de . Princípios de Sociologia; pequena introdução ao estudo de sociologia geral. 9º Ed. Rio de Janeiro: Melhoramentos, 1964.

__________________. Sociologia Educacional; Introdução ao estudo dos fenômenos educacionais e de suas relações com outros fenômenos sociais. 5º edição. Rio de Janeiro; Melhoramentos, 1958.

__________________. História de minha vida. Rio: Livraria José Olympio Editora, 1971.

__________________. A Cultura Brasileira; Introdução ao estudo da cultura no Brasil. 4º edição. Brasília: Editôra Universidade de Brasília, 1963.

BITTENCOURT, C. M. F. Disciplinas escolares: história e pesquisa. In OLIVEIRA, M. A. T. de; RANZI, S. M. F. (Orgs.). História das disciplinas escolares no Brasil: contribuições para o debate. Bragança Paulista: EDUSF, 2003.

BRASIL. Decreto n. 19.890, de 18 de abril de 1931. Dispõe sobre a organização do ensino secundário.

BRASIL. Decreto-Lei n. 8.530, de 2 de janeiro de 1946. Lei Orgânica do Ensino Normal.

BRASIL. Decreto-Lei n. 4.244, de 9 de abril de 1942. Lei Orgânica do Ensino Secundário.

BRASIL/MEC. Lei de Diretrizes e Bases 9394/96, Brasília, DISTRITO FEDERAL, l996.

CARSOSO, Sérgio Ricardo Pereira; TAMBARA, Elomar Antonio Callegaro. A Formação Docente "Não-Formal" em Pelotas: A Contribuição da Associação-Sul Rio Grandense de Professores. In: TAMBARA, Elomar; CORSETTI, Berenice. (Orgs). Instituições formadoras de professores no Rio Grande do Sul. V.4. Pelotas: Editora UFPel, p. 99-137. 2010.

CASSAB, Mariana. A Produção em história das disciplinas escolares pela escrita de pesquisadores brasileiros. Revista Brasileira de História da Educação, nº23, p. 225-251. Mai/ago, 2010.

CIGALES, Marcelo Pinheiro; ARRIADA, Eduardo. Algumas considerações sobre o ensino da sociologia na educação brasileira 1882-1942. Revista Perspectivas Sociais, nº 1, p. 86-100, 2013.

CARVALHO, Leujene Mato Grosso de. (Org). Sociologia e Ensino em Debate; Experiências e discussão de Sociologia no Ensino Médio. Ijuí: Editora Unijuí, 2004.

FERNANDES, Florestan. A sociologia no Brasil; contribuições para o estudo de sua formação e desenvolvimento. 2º edição. Petrópolis: Vozes, 1980.

FILHO, Alberto Venâncio. Fernando de Azevedo: um humanista na educação. Revista da Faculdade de Educação, USP. São Paulo. v, 20. n. 1/2 Jan "“ dez. Volume Especial, p. 30-51. 1994.

FORQUIN, J.C. As abordagens sociológicas do currículo: orientações teóricas e perspectivas de pesquisa. Educação e realidade, nº 21, p. 187-198. Porto Alegre, UFRGS, 1996.

_________. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria e Educação, nº 5, Porto Alegre: Pannônica, 1992, p. 28-49.

_________. Escola e cultura. As bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Trad. Gizele de Souza. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1, 2001.

JUNIOR, M. S.; GALVÃO, A. M. O. História das disciplinas escolares e história da educação: algumas reflexões. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 391-408, 2005.

LENOIR, Remi. Objeto sociológico e problema social. In: Iniciação a prática sociológica. Petrópolis: Vozes, 1998.

MACHADO, Celso de Souza (1987). O Ensino da Sociologia na escola secundária brasileira: levantamento preliminar. In: Revista da Faculdade de Educação. Vol. 13, n.º 1, p.115-142. 1987.

MANIFESTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA (1932). Revista HISTDBR On-line, Campinas, nº especial, p. 188-204, ago, 2006.

MEUCCI, Simone. A Institucionalização da Sociologia no Brasil: os primeiros manuais e cursos. Dissertação de Mestrado em Sociologia. Campinas-SP: IFCH-UNICAMP, 2000.

______________. Os primeiros manuais didáticos de sociologia no Brasil. Estudos de Sociologia. São Paulo. v.6, n.10, p. 121-157, 2001.

______________. Sobre a Rotinização da Sociologia no Brasil: Primeiros Manuais Didáticos, seus autores, suas expectativas. Mediaçãos, Londrina, v.12, n.1, p. 31-66, jan/jun. 2007.

MORAES, A. C. . Licenciatura em ciências sociais e ensino de sociologia: entre o balanço e o relato. Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, São Paulo - SP, v. 15, n. 1, p. 05-20, 2003.

NAGLE, Jorge. Educação e sociedade na Primeira República. 2º ed. DP&A editora: Rio de Janeiro, 2001.

NETO, N. Filosofia da Educação. Editora Melhoramento: São Paulo, 1988.

RANZI, Serlei Maria Fischer.; FUCKER, Cleusa Maria. A disciplina escolar de história no ensino médio no Paraná: uma proposta de análise. In: OLIVEIRA, Marcus Aurélio de.; RANZI, Serlei Maria Fischer (Orgs). História das disciplinas escolares no Brasil: Contribuições para o debate. Bragança Paulista: EDUSF, 2003, p. 339-366.

SANTOS, Mário Bispo dos. A Sociologia no contexto das Reformas do Ensino Médio. In: CARVALHO, Leujene Mato Grosso de. (Org). Sociologia e Ensino em Debate; Experiências e discussão de Sociologia no Ensino Médio. Ijui: Editora Unijuí, 2004.

SAVIANI, Dermeval. Equilíbrio entre a pedagogia tradicional e a pedagogia nova (1932-1947). In: História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

SILVA, Graziella Moraes Dias da Silva. Sociologia da Sociologia da Educação: Caminhos e Desafios de uma Policy Science no Brasil (1920-1979). Bragança Paulista: EDUSP, 2002.

SILVA, Ileizi Luciana Fiorelli. O ensino das Ciências Sociais/Sociologia no Brasil: histórico e perspectivas. In: Coleção Explorando o Ensino. Volume. 15 Coordenação Amaury César Moraes Brasília: Ministério da Educação: Brasília, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O que produz e o que reproduz em educação; ensaios de sociologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

SOARES, Jefferson da Costa. A identidade Profissional dos Primeiros Professores de Sociologia do Colédio Pedro II. In: 3º Encontro Estadual de Ensino de Sociologia. Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2012.

TAMBARA, Elomar. Educação e Positivismo no Brasil [166-178]. In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara (Org.) Histórias e memórias da educação no Brasil. Vol II: século XIX. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

_________________. A educação no Rio Grande do Sul sob o Castilhismo. 1991. Universidade do Rio Grande do Sul. (tese de doutorado). Porto Alegre, novembro de 1991.

_________________. Introdução à história da educação do Rio Grande do Sul. Pelotas: Editora Universitária, 2000.

TOMAZI, N. D. ; COLOGNESE, S. A. ; SANTOS, C. A. ; PASTOR, C. A. P. . A institucionalização da sociologia no ensino superior paranaense. Revista Mediações (UEL), Londrina-PR, v. 6, n.2, p. 227-245, 2001.

VIÑAO, Antonio. A história das disciplinas escolares. Trad. Maria Fernandes Braga. Revista Brasileira História da Educação, n. 18, p. 173-215, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação quadrimestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às segas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.