O AJUSTE FISCAL E A CRISE DO NOVO DESENVOLVIMENTISMO NO SEGUNDO MANDATO DE DILMA ROUSSEFF

Leonardo de Araujo e Mota, André Monteiro Moraes

Resumo


No início do século XXI, vários líderes de esquerda latino-americana foram eleitos utilizando um discurso de rejeição aos cânones neoliberais. Assim, a retórica do desenvolvimentismo retornou à pauta das políticas públicas, porém com a nova roupagem, denominada de Novo Desenvolvimentismo. Conforme esse "novo" modelo de desenvolvimento, a questão social agora seria equacionada por intermédio de um "pacto social" que contemplasse uma maior intervenção do Estado na economia, com bons índices de competitividade, controle da inflação, crédito acessível e políticas sociais de enfrentamento da pobreza. O objetivo deste artigo foi realizar uma análise sociológica da crise do projeto novo desenvolvimentista no início do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, a partir do anúncio das medidas de ajuste fiscal. Como método de pesquisa, utilizou-se a pesquisa bibliográfica utilizando o conceito de Novo Desenvolvimentismo como chave analítica e tendo como recorte temporal o ano de 2015. A partir dos dados analisados verificou-se que o ciclo do novo desenvolvimentismo no início do segundo mandato de Dilma Rousseff no Brasil entrou em crise, gerando recessão econômica, aumento da inflação e desemprego. Escândalos de corrupção envolvendo membros da base governista, como também efeitos retardatários da crise financeira internacional comprometeram a continuidade das políticas públicas que serviram de esteio ao ciclo "lulista" de desenvolvimento. Tal conjuntura causou uma reviravolta política, econômica e ideológica no cenário nacional, propiciando uma guinada neoliberal na política nacional de desenvolvimento cujos desdobramentos acirraram-se ao longo do ano de 2016, provocando uma retração significativa das políticas sociais do período novo desenvolvimentista.

PALAVRAS-CHAVE: Novo Desenvolvimentismo. Estado. Políticas Públicas. Dilma Rousseff.

FISCAL ADJUSTMENT AND THE CRISIS OF NEW DEVELOPMENTALISM IN THE SECOND PRESIDENTIAL TERM OF DILMA ROUSSEFF

ABSTRACT

No início do século XXI, vários líderes de esquerda latino-americana foram eleitos utilizando um discurso de rejeição aos cânones neoliberais. Assim, a retórica do desenvolvimentismo retornou à pauta das políticas públicas, porém com a nova roupagem, denominada de Novo Desenvolvimentismo. Conforme esse "novo" modelo de desenvolvimento, a questão social agora seria equacionada por intermédio de um "pacto social" que contemplasse uma maior intervenção do Estado na economia, com bons índices de competitividade, controle da inflação, crédito acessível e políticas sociais de enfrentamento da pobreza. O objetivo deste artigo foi realizar uma análise sociológica da crise do projeto novo desenvolvimentista no início do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, a partir do anúncio das medidas de ajuste fiscal. Como método de pesquisa, utilizou-se a pesquisa bibliográfica utilizando o conceito de Novo Desenvolvimentismo como chave analítica e tendo como recorte temporal o ano de 2015. A partir dos dados analisados verificou-se que o ciclo do novo desenvolvimentismo no início do segundo mandato de Dilma Rousseff no Brasil entrou em crise, gerando recessão econômica, aumento da inflação e desemprego. Escândalos de corrupção envolvendo membros da base governista, como também efeitos retardatários da crise financeira internacional comprometeram a continuidade das políticas públicas que serviram de esteio ao ciclo "lulista" de desenvolvimento. Tal conjuntura causou uma reviravolta política, econômica e ideológica no cenário nacional, propiciando uma guinada neoliberal na política nacional de desenvolvimento cujos desdobramentos acirraram-se ao longo do ano de 2016, provocando uma retração significativa das políticas sociais do período novo desenvolvimentista.

PALAVRAS-CHAVE: Novo Desenvolvimentismo. Estado. Políticas Públicas. Dilma Rousseff.


Palavras-chave


Novo Desenvolvimentismo. Estado. Políticas Públicas. Dilma Rousseff.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Giovanni. Trabalho e Neodesenvolvimentismo: Choque de capitalismo e nova degradação do trabalho no Brasil. Bauru: Canal 6, 2014.

AMARAL, Angela Santana. Configurações contemporâneas dos conflitos classistas: experiências brasileiras no contexto neodesenvolvimentista. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2014.

ANTUNES, Ricardo (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2006.

APUFPR "“ SSIND, Informativo. Educação: Mandato de Dilma já inicia com corte de 31% na educação. Ed. nº 118. jan, 2015.

ARQUER, Monize. O voto em Dilma Rousseff nas eleições presidenciais de 2010. Revista Brasileira de Direito Eleitoral e Ciência Política. Tribunal Regional Eleitoral do Paraná. Núcleo de Pesquisa em Sociologia Política Brasileira (UFPR), v. 2, n. 3, pp. 415-440, Curitiba: TER, 2013.

AREND, Marcelo. Mais 4 anos de ajuste fiscal e 40 anos sem mudança estrutural. Revista Política Social e Desenvolvimento. Série Especial: Austeridade Econômica e Questão Social. Ed. nº 21. Disponível em: Acesso em: ago. 2015.

BARRUCHO, Luis Guilherme. Dilma completa 100 dias: economia e popularidade marcam contrastes com o 1º mandato. BBC Brasil (online), 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2015.

BRAGA, Ruy. A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo: USP Programa de Pós-Graduação em Sociologia, 2012.

BRAND, Ulrich; SECKLER, Nicola (Orgs.). Diante da crise global: horizontes do pós- neoliberalismo. Rio de Janeiro: UERJ, 2010.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Reflexões sobre o Novo Desenvolvimentismo e o Desenvolvimentismo Clássico. Revista de Economia Política, vol. 36, nº 2 (143), pp. 237-265, abril - junho/2016.

___________; THEUER, Daniela. Um Estado novo-desenvolvimentista na América Latina? Economia e Sociedade, v. 21, Número Especial, pp. 811-829, dez. 2012.

CARDOSO, Henrique. Xadrex internacional e social-democracia. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

COLISTETE, Renato Perim. O desenvolvimentismo cepalino: problemas teóricos e influência no Brasil. Estudos Avançados, v. 15, n. 41, pp. 21-34, 2001.

CARLEIAL, Liana Maria de Frota. Política econômica, mercado de trabalho e democracia: o segundo governo Dilma Rousseff. Estudos Avançados, v. 29, n. 85, pp. 201-214, 2015.

CASTELO BRANCO, Rodrigo. O novo-desenvolvimentismo e a decadência ideológica do estruturalismo latino-americano. Oikos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, pp.71-91, 2009.

FUSER, Igor. A esquerda sul-americana e seus demônios: os giros à esquerda e a guinada á direita. Caros Amigos, ano 19, Edição Especial n. 83, novembro 2016.

GASPAR, Malu. A morte e o morte de Joaquim Levy. Revista Piauí, número 111, dezembro 2015.

GOHN, Maria da Glória. Manifestações de junho de 2013 e praças dos indignados no mundo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos. O breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

JERONIMO, Josie. Levy sob fogo cruzado. Isto É, São Paulo, 05.03.2015. Disponível em: < http://istoe.com.br/407826_LEVY+SOB+FOGO+CRUZADO/>. Acesso em: 20 mar. 2015.

KLIASS, Paulo. A democracia não cabe no orçamento. In: FAGNANI, Eduardo et. al. As demandas sociais da democracia não cabem no orçamento? (Parte III). Revista Política Social e Desenvolvimento, n. 29, ano 03, dezembro 2015.

LUCE, Mathias Seibel. Brasil: nova classe média ou novas formas de superexploração da classe trabalhadora? Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, pp. 169-190, jan./abr. 2013.

MARANHÃO, Cézar Henrique Miranda Coelho. O "novo" ciclo ideológico do desenvolvimento: A reconstrução do projeto político burguês e as estratégias de desenvolvimento econômico e social no Brasil. 2009, 374 p. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Serviço Social. Universidade de Pernambuco, Recife.

MARICATO, Ermínia et. al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARTINS, José de Souza. Do PT das lutas sociais ao PT do poder. São Paulo: Contexto, 2016.

MATTEI, Lauro. Gênese e agenda do novo desenvolvimentismo brasileiro. Revista de Economia Politica, vol. 33, n. 1 (130), pp. 41-59, janeiro-marco/2013.

MATTOS, Fernando Augusto Mansor de. Avanços e dificuldades para o mercado de trabalho. Estudos Avançados, v.29, n. 85, pp. 69-85, 2015.

MENDONÇA, Ricardo. Maioria apoia abertura de processo de impeachment, mostra Datafolha. Folha de São Paulo (online), 2015. Disponívelem: . Acesso em: 14 abr. 2015.

MOTA, Ana Elizabete (Org.). Desenvolvimentismo e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2012.

MOTA, Leonardo de Araújo e. O novo desenvolvimentismo e a questão social na atualidade. Polêm!ca, v. 15, pp. 01-12, julho, agosto e setembro 2015.

MOTA, Leonardo de Araújo e; SILVA, Flávio José Souza. 10 anos do Partido dos Trabalhadores no poder (2003-2013): ideologia, política e sociedade no Brasil em tempos de pós-neoliberalismo. Crítica e Sociedade. Revista de Cultura Política, v. 5, n. 2, pp. 196-214, junho 2016.

PFEIFER, Mariana. O "social" no interior do projeto neodesenvolvimentista. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 120, pp. 746-766, out./dez. 2014.

SAMPAIO JR., Plínio de Arruda. Desenvolvimentismo e neodesenvolvimentismo: tragédia e farsa. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 112, pp. 672-688, out./dez. 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Portugal: ensaio contra a autoflagelação. São Paulo, Cortez, 2011.

SANTOS, Josiane Soares. Particularidades da "questão social" no Brasil: mediações para seu debate na "era" Lula da Silva. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 111, pp. 430-449, jul./set. 2012.

SICSÚ, João; PAULA, Luiz Fernando de; MICHEL, Renaut. Por que novo-desenvolvimentismo? Revista de Economia Política, v. 27, n. 4(108), pp. 507-524, out./dez. 2007.

SILVA, S.S.S. Contradições da Assistência Social no governo "neodesenvolvimentista" e suas funcionalidades ao capital. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 113, pp. 86-105, jan./mar. 2013.

SINGER, André. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

_______. O lulismo nas cordas: depois de uma década cirtuosa, marcha rooseltiana perde o rumo e chega ao final de 2015 perto do colapso. Revista Piauí, número 111, pp. 31-35, dezembro 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.