ESTADO, NAÇÃO E TERRITÓRIO: um debate acerca da formação da identidade nacional brasileira

Thiago Resende Resende Cunha

Resumo


O presente artigo propõe um breve estudo sobre a questão da formação de uma identidade nacional brasileira. Para se chegar ao objetivo realizou-se uma revisão bibliográfica sobre a temática de Estado, Nação e território. Posteriormente trabalhou-se com os conceitos acima referidos aplicando-os em uma teoria que faz um panorama entre imigração no Brasil durante o século XIX e XX, observando como ela se contrapõe ao ideal de miscigenação e de uma população uniforme biológica e culturalmente. 

 

This article proposes a brief study on the question of the formation of a Brazilian national identity. In order to reach the objective, a bibliographical review on the State, Nation, and Territory was carried out. Subsequently, we worked with the above concepts applying them in a theory that makes a panorama between immigration in Brazil during the nineteenth and twentieth centuries, observing how it opposes the ideal of miscegenation and a uniformly biologically and culturally uniform population.


Palavras-chave


Estado, Nação, Território, Identidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BOURIDEU, Pierre. A identidade e a representação: elementos para uma reflexão crítica sobre a ideia de região. In: _____. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand, 2006.

ELIAS, Nobert. O Processo Civilizador: formação do Estado e civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 11ª ed., Rio de Janeiro: Graal, 1997.

GERMANI, G. La sociedad em cuestión:antología comentada. Buenos Aires: Consejo Latino-americano de Ciencias Sociales - CLACSO, 2010.

HABERMAS, Jürgem. Realizações e limites do Estado nacional europeu. In: BALAKRISHNAN, Gopal. (org) Um mapa da questão nacional. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand. Brasil – 2004a

______. Território e Multiterritorialidade: Um debate. GEOgrafia – Ano IX – Nº 17 – 2007

______. REGIÃO – GLOBAL: Dilemas da Região e da Regionalização na Geografia Contemporânea. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013

MANN, Michael. Estados nacionais na Europa e noutros continentes: desenvolver, não morrer. In: BALAKRISHNAN, Gopal. (org) Um mapa da questão nacional. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

MONTEIRO. Paula. Multiculturalismo, identidades discursivas e espaços públicos. Sociologia & antropologia v.02.04: 81 –101, 2012.

SEYFERTH, Giralda. Identidade Nacional, diferenças regionais, integração étnica e a questão imigratória no Brasil. In. ZARUR, G.de C. Região e Tradição na América Latina. 1 ed. Brasília: Ed. UnB, 2000

______. Nacionalismo e Imigração no Pensamento de Gilberto Freyre. In: KOSMINSKY, E. V. e LÉPINE, C. F.A. P. Gilberto Freyre em Quatro Tempos, 1 ed.. Bauru – SP: EDUSC/Ed. UNESP/FAPESP, 2003

SKINNER, Quentin.As fundações do pensamento político moderno. São Paulo: Companhia das Letras. 1996.

TORRES-RIVAS, Edelberto. Centroamérica: entre revoluciones y democracia / Edelberto Torres- Rivas;antología y presentación, Jorge Rovira Mas. — México, D. F.: Siglo XXI Editores; Buenos Aires: CLACSO, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.