Da Condição de "Ressocialização" dos egressos do sistema prisional

Taysa Silva Santos, Simone Brandão Souza

Resumo


Nesse trabalho é proposto um debate acerca da ideia de ressocialização dos detentos do sistema prisional brasileiro vis-à-vis a ideia de reconstrução da cidadania desse segmento através de sua reinserção social. Faz-se necessário problematizar tais questões tendo em vista que o sistema prisional estabelece, a partir de sua normatização rígida e sua lógica retributiva, práticas desumanas violadoras dos direitos humanos, contrárias, portanto à lógica de ressocialização que o sistema prisional propõe, e à ideia de garantir a dignidade dos indivíduos e o resgate de suas cidadanias, quando do retorno para a sociedade livre. Para esta reflexão fizemos uma revisão bibliográfica da referida temática e utilizamos categorias analíticas do marxismo buscando compreender essa realidade que reforça a vulnerabilidade de uma população já tão estigmatizada.


Palavras-chave


Crime; Criminoso; Ressocialização; Reintegração Social; Sistema Prisional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, José Deques. Do Tratamento Penal à Reinserção Social do Criminoso. 2003. 66f. Monografia (Especialização em Tratamento Penal e Gestão Prisional). Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós- Graduação em Modalidades de Tratamento Penal e Gestão Prisional, Curitiba/ PR, [20--].

AMORA, Antônio Soares. Minidicionário Soares Amora da Língua Portuguesa. 17º ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

ARGUELLO, Katie. "Do estado social ao estado penal: invertendo o discurso da ordem". In: Anais do Congresso Paranaense de Criminologia. Londrina, mimeo, 2005.

BARATTA, Alessandro. Ressocialização ou Controle Social: Uma abordagem crítica da "reintegração social" do sentenciado. Alemanha Federal. Disponível em: www.eap.sp.gov.br/pdf/ressocializacao.pdf. Acesso em: 19 de Novembro de 2012.

BECCARIA, Cesare. Dos Delitos e das Penas. Ed. Eletrônica de Ridendo Castigat Mores, 1764.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Penas e Medidas Alternativas "“ Visão Crítica. R. CEJ, Brasília, n. 15, p. 64-72, set./dez. 2001

BRAGA, Ana Gabriela Mendes. A Identidade do Preso e as Leis do Cárcere. 2008. 215f. Dissertação (Mestrado área de Concentração Direito Penal, Medicina Forense e Criminologia). Universidade de São Paulo, Faculdade de Direito, São Paulo/ SP, 2008.

BRASIL. COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS DA CAMERA DOS DEPUTADOS. Brasília. Situação do Sistema Prisional Brasileiro, 2006.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União n. 191-A, de 5 de outubro de 1988.

______ . Lei Nº 7.210, de 11 de julho de 1984, institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União, de 13 de julho de 1984, Brasília.

______ . Lei No 2.848, de 7 de dezembro de 1940, institui o Código Penal. Diário Oficial da União, 31 de dezembro de 1940.

CARVALHO, Themis Maria Pacheco de. Falando em Ressocialização. Jornal O Estado do Maranhão, 14/09/ 2003.

COSTA, Fernando Braga da. Homens Invisíveis: Relatos de uma Humilhação Social. São Paulo: Editora Globo, 2004.

DIAS, Camila Caldeira Nunes. Efeitos simbólicos e práticos do Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) na dinâmica prisional. Revista Brasileira de Segurança Pública. Ano 3, Edição 5 Ago/Set, 2009.

FABRETTI, Humberto Barrionuevo. A Teoria do Crime e da Pena em Durkheim: Uma Concepção Peculiar do Delito. Disponível em: . Acesso em 15 de julho de 2013.

FERREIRA, L. A.. Sistema Prisional: Trabalho e Educação como Forma de Reinserção Social. In: VIII Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas: História, Sociedade e Educação no Brasil, 2009, Campinas. VIII Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas: História, Sociedade e Educação no Brasil. Campinas: HISTEDBR, 2009.

FRANÇA, R. L.; FERREIRA, Livia Andrade. . Trabalho, Educação e Cidadania no Sistema Prisional: Um Estudo sobre o Principio da Dignidade Humana. In: 9o. Encontro de Pesquisa em Educação da ANPED - Centro Oeste, 2008, Brasília - DF. Educação: Tendências e Desafios de um Campo em Movimento. Brasília - DF : Editora UNB, 2008. v. 1. p. 452-471.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

GARLAND, David. As Contradições da "Sociedade Punitiva": O Caso Britânico. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, 13, p. 59-80, nov. 1999

GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. Tradução de Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001.

LAURELL, Asa Cristina. Avançando em direção ao passado: a política social do neoliberalismo. In: LAURELL, Asa Cristina (Org.) et al. Estado e políticas sociais no Neoliberalismo. Tradução de Rodrigo Léon Contrera, 5º ed, São Paulo: Cortez, 2009.

LIMA, Flávio Augusto Fontes de. Penas e medidas alternativas: avanço ou retrocesso?. In

www.direitocriminal.com.br, 08.06.2001 Parte 1. Acesso em 11 de junho de 2013.

LYRA, Raphaela Barbosa Neves. Trabalho Prisional: Mão de Obra Explorada X Política Pública Protetiva. In: Revista da RET, ano I. nº 2. Salvador, 2008. Disponível em < www.estudosdotrabalho.org >. Acesso em 2 de jan. de 2012.

KUNZE, Nádia Cuiabano. Manicômios, Prisões e Conventos. Resenha de Manicômios, Prisões e Conventos, de Erving GOFFMAN. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.289-294, mar.2009.

MAGALHÃES, Fernanda de. O perfil do egresso do sistema prisional de Uberlândia. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Serviço Social) - Faculdade Católica de Uberlândia. Orientador: Marília Nogueira Neves.

OLIVEIRA, Adriano Bezerra Caminha de. O Trabalho como Forma de Ressocialização do Presidiário. 2007. 62f. Monografia (Especialização em Direito Penal e Direito Processual Penal). Universidade Estadual do Ceará, Programa de Pós- Graduação em Estudos Sociais e Aplicados, Fortaleza/ CE, [20--].

PAIXÃO, Antonio Luiz; BEATO, Cláudio C.; CLÁUDIO, C. Crimes, vítimas e policiais. Tempo Social. USP, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 233-248, 1997.

RAMALHO, José Ricardo. Mundo do Crime: a ordem pelo avesso. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2002.

SALLA, Fernando; GAUTO, Maitê; ALVAREZ, Marcos César. A contribuição de David Garland: a sociologia da punição. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, São Paulo, v. 18, n. 1, pp. 329-350, 2006.

SANT"™ ANNA, Paula Rodrigues de. Reincidência em Penas Alternativas. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito). Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008. Orientador: Carlos Raymundo Cardoso.

VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

VASCONCELOS, Wilson Santos de. Penas Alternativas: Um Estudo Acerca da Execução das Penas Restritivas de Direito no Rio de Janeiro (1994"“2009). 2011. 183f. Dissertação (Mestrado concentração em Dinâmica Populacional, Condições de Vida e Políticas Públicas) Escola Nacional de Ciências Estatísticas "“ ENCE, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística "“ IBGE, Rio de Janeiro, 2011.

WACQUANT, Loïc. As Prisões da Miséria. Tradução: André Telles. Digitalização: 2004. Sabotagem: 1999.

WEISHEIMER, Nilson. Sociologia Clássica. Universidade Luterana do Brasil (Org.). Curitiba: Ibpex, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.