Análise da Teoria da Democracia Racial sob a perspectiva da literatura de Machado de Assis

Kátia Aparecida Rodrigues

Resumo


Este artigo busca relacionar a teoria da democracia racial criada a partir da análise da obra de Gilberto Freyre, Casa Grande & Senzala, com o contexto brasileiro no período escravocrata. Para a realização da análise, além de dados históricos sobre o período, foram utilizadas obras da literatura de Machado de Assis, um dos maiores autores do realismo brasileiro, que escreveu sobre a escravidão em diversas de suas obras. As literaturas utilizadas são: o livro Memórias Póstumas de Brás Cubas, publicado em 1881; o conto Pai Contra Mãe, de 1906; e a crônica Bons dias, publicada em 19 de maio de 1888. Estas três obras relatam situações que demonstram a relação entre senhor e indivíduos escravizados no Brasil escravocrata, que fazem questionar o mito da democracia racial, que ainda hoje permeia muitas das discussões sobre a escravidão no Brasil e suas consequências para a atualidade.
Palavras-chave: Teorias raciais e eugênicas; Escravidão; Democracia racial; Literatura.

Abstract

This article seeks to relate the theory of racial democracy created from the analysis of the work of Gilberto Freyre, Casa Grande & Senzala, with the Brazilian context in the enslaved period. Machado de Assis, one of the greatest authors of Brazilian realism, wrote about slavery in several of his works, in addition to historical data on the period. The literatures used are: the book Memórias Póstumas de Brás Cubas, published in 1881; the Pai contra Mãetale of 1906; and the Bons diaschronicle published on May 19, 1888. These three works relate situations that demonstrate the relationship between lord and individuals enslaved in slave-owning Brazil, which call into question the myth of 

racial democracy that still pervades many of the discussions about slavery in the Brazil and its consequences for the present.

Keywords:Racial and eugenic theories; Slavery; Racial democracy; Literature.


Palavras-chave


Teorias raciais e eugênicas; Escravidão; Democracia racial; Literatura.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Kátia Lorena Novais. Da prática costumeira à alforria legal. 2009. Disponível em: http://periodicos.uesb.br/index.php/politeia/article/viewFile/227/245. Acesso em: 02 abr. 2018.

ARIZA, Marília Bueno de Araújo. Trabalho e alforria: libertandos locadores de serviços em São Paulo e Campinas (1830-1888). 2013. Disponível em: http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364702054_ARQUIVO_anpuh2013-trabalhoealforia.pdf. Acesso em 02 abr. 2018.

ASSIS, Machado de. Pai contra mãe. In: ASSIS, Machado de. Contos. Porto Alegre: L&PM, 1998. p. 90-105.

ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. 2. ed. São Paulo: Martin Claret,

ASSIS, Machado de. Bons dias. In: ASSIS, Machado de. Obra Completa, Vol III. 3ª ed. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1973. p. 489-491.

CARDOSO, Fernando Henrique. Prefácio. In: FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sobre o regime da economia patriarcal. 47ª ed. São Paulo: Global, 20013.

CARVALHO, Rafaela Rodrigues da Silva; COSENTINO, Daniel do Val. Escravidão em Machado De Assis: uma análise da obra “Memórias póstumas de Brás Cubas”. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2015.

FAUSTO, Boris. História do Brasil: História do Brasil cobre um período de mais de quinhentos anos, desde as raízes da colonização portuguesa até nossos dias. 1996. Disponível em: http://www.argumento.com.br/cpd/downloads/material_didatico/C3ME/História%20do%20Brasil%20(Boris%20Fausto).pdf. Acesso em: 02 de abr. 2018.

FILHO, Manuela Alves. Tese analisa a conexão entre literatos negros abolicionistas. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2015.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala: formação da família brasileira sobre o regime da economia patriarcal. 47. ed. São Paulo: Global, 20013.

NOGUEIRA JUNIOR, Arnaldo. Machado de Assis. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2015.

PIMENTA, Denisia Gomes; ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Pai contra Mãe (Conto), de Machado de Assis. 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2015.

REZENDE, Rodrigo Castro. Paternalismo e liberdade no norte de Minas Gerais oitocentistas. In: ABREU, Martha; PEREIRA, Matheus Serva (Orgs). Caminhos da liberdade: histórias da abolição e do pós-abolição no Brasil. Niterói: PPGHistória-UFF, 2011. p. 143-163.

SILVA, Afrânio et al. Sociologia em movimento. São Paulo: Moderna, 2013.

SOUSA, Rainer Gonçalves. Escravidão no Brasil. Disponível em . Acesso em 22 de novembro de 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.