ESTADO E MOVIMENTOS SOCIAIS: Efeitos Colaterais e Dinâmica Relacional

Nildo Viana

Resumo


O presente artigo aborda a relação entre Estado e movimentos sociais, analisando tanto os efeitos colaterais das políticas estatais sobre os movimentos sociais quanto sua dinâmica relacional direta. No primeiro caso, é destacado o processo de desenvolvimento capitalista e as mudanças na forma do estado, com a consequente reordenação das políticas estatais e como isso atinge, indiretamente, os movimentos sociais. No segundo caso, é abordado a relação direta entre Estado e movimentos sociais, mostrando sua dinâmica relacional tanto por iniciativa estatal quanto por iniciativa civil. A conclusão geral do artigo é a de que as mudanças nas formas de Estado (que faz parte da sucessão de regimes de acumulação) atingem os movimentos sociais, de forma direta ou indireta. Em cada forma estatal, alguns movimentos sociais e ramificações são fortalecidos, outros são enfraquecidos, seja por incentivo das políticas estatais, seja por problemas das ações estatais em sua relação com a sociedade civil. Da mesma forma, as formas assumidas pelo Estado capitalista atingem os grupos sociais de base dos movimentos sociais e por isso também podem fortalecer ou enfraquecer um determinado movimento social. Outra conclusão foi a de que as várias formas assumidas pela iniciativa estatal voltada diretamente para os movimentos sociais, tais como a cooptação, a burocratização, a repressão e a omissão variam de acordo com o país, a época, a correlação de forças do bloco dominante, entre outras determinações. O mesmo ocorre com os movimentos sociais e o que denominamos iniciativa civil.

 

 

This article discusses the relationship between State and social movements, analyzing both the side effects of state policies on social movements and their direct relational dynamics. In the first case, the process of capitalist development and changes in the form of the state are highlighted, with the consequent reordering of state policies and how this indirectly affects social movements. The general conclusion of the article is that changes in the forms of state (which is part of the succession of accumulation regimes) affect social movements, directly or indirectly. In each state form, some social movements and ramifications are strengthened, others are weakened, either by stimulating state policies or by problems of state actions in their relationship with civil society. In the same way, the forms assumed by the capitalist state affect the basic social groups of social movements and therefore can also strengthen or weaken a given social movement. Another conclusion was that the various forms taken by the state initiative endorsed directly for social movements, such as cooptation, bureaucratization, repression and omission vary according to the country, the time, the correlation of forces of the dominant block , among other determinations. The same is true of social movements and what we call civil initiative.

Palavras-chave


Estado, Movimentos Sociais, Iniciativa Estatal, Iniciativa Civil, Ramificações

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERONI, Francesco. Gênese. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

ALONSO, Ângela e BOTELHO, André. Repertórios de ação coletiva e confrontos políticos: entrevista com Sidney Tarrow. Sociologia & Antropologia. v.02, 03, 2012.

ALONSO, Ângela. As Teorias dos Movimentos Sociais: Um Balanço do Debate. Lua Nova, num. 76, 2009.

ANDRADE, Gabrielle. A Trajetória do Movimento Negro Brasileiro. In: VIANA, Nildo (org.). Movimentos Sociais: Questões Teóricas e Conceituais. Goiânia: Edições Redelp, 2016.

BRAGA, Lisandro. A Teoria do Regime de Acumulação Integral. Revista Conflicto Social. Ano 06, num. 10, Jul./Dez. 2013a.

BRAGA, Lisandro. Repressão Brutal e Discurso Jornalístico no Massacre de Avellaneda. Revista Movimentos Sociais. Vol. 01, num. 01, jul./dez. 2016.

BRAGA, Lisandro. Lutas Sociais e Repressão Preventiva na Argentina. Sociologia em Rede. v. 3, n. 3, 2013b.

BUHL, Kathrin e KOROL, Claudia (orgs.). Criminalização dos Protestos e Movimentos Sociais. São Paulo: Instituto Rosa Luxemburgo, 2008.

CARRION, Eduardo. Estado, Partidos e Movimentos Sociais. Porto Alegre, Edipaz, 1985.

CORREA, Ana Elisa. Movimentos Sociais e Estado: o governo do PT e o apassivamento do MST. Anais do V Simpósio Internacional Lutas Sociais na América Latina. 10 a 13 de setembro de 2013.

COSTA, Leon. Movimentos Sociais, Protestos e Manifestações Públicas. In: VIANA, Nildo (org.). Movimentos Sociais: Questões Teóricas e Conceituais. Goiânia: Edições Redelp, 2016.

DELLA PORTA, Donatella. Movimientos Sociales y Estado: Algunas Ideas en torno a la represión policial a la protesta. In: McAdAM, Dough; McCARTHY, John; ZALD, Mayer (orgs.). Movimientos Sociales: Perspectivas Comparadas. Madrid: Edicones Istmo, 1999.

DRUCK, Graça. Os Sindicatos, os Movimentos Sociais e o Governo Lula: Cooptação e Resistência. OSAL, Observatorio Social de America Latina, CLACSO, Conselho Latino-americano de Ciências Sociais, Buenos Aires, Ano VI, num. 19. julho. 2006.

EISENSTADT, S. N. Burocracia, Burocratização e Desburocratização. In: CAMPOS, Edmundo (org.). Sociologia da Burocracia. 4ª edição, Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

FREUD, Sigmund. O Mal Estar na Civilização. Col. Os Pensadores. São Paulo, Abril Cultural, 1978.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos Movimentos Sociais. 3ª edição, São Paulo: Edições Loyola, 2002.

GOMES, Marcus V. P. e ALVES, Mário A. Como se cria um Ministério? O processo de cooptação como mecanismo de distensão na relação entre movimentos sociais e Estado. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, 51(3), mai./jun. 2017.

GOSS, Karine P. e PRUDÊNCIO, Kelly. O conceito de movimentos sociais revisitado. Em Tese. Vol. 2, nº 1 (2), janeiro-julho 2004, p. 75-91. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/view/13624/12489 Acessado em: 06/06/2017.

IGLESIAS, Esteban. Da Colonização da Sociedade Civil às Tensões entre Partidos no Governo e Movimentos Sociais. Sociologia em Rede. Ano 5, num. 05, jan./jun. de 2015.

JENSEN, Karl. Teses Sobre os Movimentos Sociais. Revista Marxismo e Autogestão. Vol. 01, num. 01, jan./jun. de 2014.

LAPASSADE, Georges. Grupos, Organizaciones y Instituciones. La transformacion de la burocracia. Barcelona: Gedisa, 1999.

MAIA, Lucas. A PEC 55 e o Neoliberalismo Discricionário no Brasil. Revista Despierta. v. 3, n. 3 (2016).

MARSHALL, T. H. Cidadania, Classe Social e Status. Rio de Janeiro, Zahar, 1967.

MARTINS, José de Sousa. As mudanças nas relações entre a sociedade e o Estado e a tendência à anomia nos movimentos sociais e nas organizações populares. Estudos avançados. Vol. 14, num. 38, 2000.

MARTINS, José de Sousa. Impasses Políticos dos Movimentos Sociais na Amazônia. Tempo Social. Vol. 1, num. 01, jan./jun. de 1989.

MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. 3ª edição, São Paulo: Ciências Humanas, 1986.

MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. O Manifesto do Partido Comunista. Petrópolis: Vozes, 1988.

MCADAM, Doug; TARROW, Sidney; TILLY, Charles. Para Mapear o Confronto Político. Lua Nova, São Paulo, num. 76, 2009.

McCARTHY, John e ZALD, Mayer. Mobilização de Recursos e Movimentos Sociais: Uma Teoria Parcial. Movimentos Sociais, 01(02), 2017.

MISOCSKY, Maria C.; FLORES, Rafael K. e SILVA, Sueli M. G. Estudos organizacionais e movimentos sociais: o que sabemos? Para onde vamos? Cadernos Ebape. v. 6, nº 3, Set. 2008.

OFFE, Claus. Partidos Políticos y Nuevos Movimientos Sociales. Madrid: Editorial Sistema, 1996.

ORIO, Mateus. O Desenvolvimento Capitalista na Sucessão de Regimes de Acumulação. Ciências Humanas. Revista da Faculdade Estácio de Sá. Goiânia. Vol. 02, nº 09, Jan. 2014.

SANTOS, Ivair A. A. O Movimento Negro e o Estado (1883-1987). O Caso do Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunicade Negra no Governo de São Paulo. 2ª edição, Dissertação de Mestrado em Ciência Política, Unicamp, 2001.

SELZNICK, Philip. Cooptação: um mecanismo para a estabilidade organizacional. In: CAMPOS, Edmundo (org.). Sociologia da Burocracia. 4ª edição, Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

TARROW, Sidney. O Poder em Movimento. Movimentos Sociais e Confronto Político. Petrópolis, Vozes, 2009.

TARROW. Sidney. Estado y Oportunidades: La estruturación política de los movimientos sociales. In: McAdAM, Dough; McCARTHY, John; ZALD, Mayer (orgs.). Movimientos Sociales: Perspectivas Comparadas. Madrid: Edicones Istmo, 1999.

TELLES, Vera. Movimentos Sociais: Reflexões sobre as Experiências dos anos 70. In: SCHERER-WARREN, Ilse e KRISCHKE, Paulo. Uma Revolução no Cotidiano? Os Novos Movimentos sociais na América do Sul. São Paulo: Brasiliense, 1987.

TILLY, Charles e WOOD, Lesley. Los Movimientos Sociales. 1768-2008. Desde sus Orígenes a facebook. Barcelona: Crítica, 2010.

TILLY, Charles. Os Movimentos Sociais como Política. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 3. Brasília, janeiro-julho de 2010.

TREK, Esteban e ARÉVALO, Paolo. Aproximación al concepto de cooptación política: la maquinaria presicrática y sus formas. Polis, Revista Latinoamericana, Volumen 14, Nº 40, 2015, p. 469-488. Disponível em: http://www.scielo.cl/pdf/polis/v14n40/art22.pdf acessado em: 06/06/2017.

VIANA, Nildo. Blocos Sociais e Luta de Classes. Enfrentamento. Ano 10, Num. 17, jan/jun. 2015c. Disponível em: http://enfrentamento.net Acessado em: 31/12/2015.

VIANA, Nildo. Burocracia: Forma Organizacional e Classe Social. Revista Marxismo e Autogestão. Ano 02, num. 03, jan./jun. 2015. Disponível em: http://redelp.net/revistas/index.php/rma/article/view/9jviana3/297 acessado em: 31/06/2017.

VIANA, Nildo. Estado, Democracia e Cidadania. 2ª edição, Rio de Janeiro: Rizoma, 2015a.

VIANA, Nildo. Movimentos Sociais e Movimentos de Classes: Semelhanças e Diferenças. Revista Espaço Livre, v. 11, n. 22, 2016b.

VIANA, Nildo. Movimentos Sociais: Unidade e Diversidade. Revista Café com Sociologia. Volume 5, número 3, ago./dez. 2016c.

VIANA, Nildo. O Capitalismo na Era da Acumulação Integral. São Paulo: Ideias e Letras, 2009.

VIANA, Nildo. Os ciclos dos regimes de acumulação. Territorial - Caderno Eletrônico de Textos, Vol.5, n.7, 20 de agosto de 2015b. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2015b.

VIANA, Nildo. Os Movimentos Sociais. Curitiba: Prismas, 2016a.

VIANA, Nildo. Representações e valores nas políticas de saúde no Brasil (1990-2012). (Tese de Pós-Doutorado). São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Enfermagem/USP, 20015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.