ENTRE COOPERAÇÃO, INSTITUCIONALIZAÇÃO E CONFRONTO: o caso do movimento negro brasileiro

Sara Talice Santos Bastos

Resumo


Contrapondo-se às teorias clássicas dos movimentos sociais, que partem do pressuposto da externalidade do movimento frente às esferas institucionais, essa pesquisa buscou apreender sobre a relação entre política extrainstitucional e a sua contraparte institucional. Focando a análise na interpenetração entre movimento/partido/Estado durante a história do movimento negro brasileiro. Intuímos observar a relação que o movimento em questão buscou ter com essas esferas institucionalizadas. Para tanto utilizamos o método de revisão bibliográfica. Os dados mostraram que o movimento em questão manteve desde o seu início uma relação estreita com a política institucionalizada, através da atuação partidária. Entretanto, a partir dos anos 1980, com a redemocratização brasileira e com o início de um novo modelo de ação democrático, o modelo participativo, a ação dos movimentos por dentro da esfera política institucional se consolidou.

 

 

Despite the classical theories of social movements, which start from the assumption of the externality of the movement from the institutional spheres, this research sought to understand the relationship between both extra-institutional and intra-institutional politics. Focusing the analysis on the interpenetration between movement/party/State during the history of Brazilian black movement, this work aimed to observe the relation between the movement in question and these institutionalized spheres. The bibliographic review method showed that the black movement has maintained a close relationship with institutionalized politics through party action. However, from the 1980s, due to the Brazilian redemocratization and the beginning of a new democratic pattern, the participatory model, the action of the movements within the institutional political sphere was consolidated. 


Palavras-chave


Movimento Negro; Institucionalização; Confronto.

Texto completo:

PDF

Referências


ABERS, R. N.; VON BÜLOW, M. Movimentos Sociais Na Teoria e Na Prática: Como Estudar o Ativismo Através Da Fronteira Entre Estado e Sociedade?. Sociologias, 13 (28), p.52–84, 2011.

ALBERTI, V.; PEREIRA, A. A. Histórias do movimento negro no Brasil: depoimentos ao CPDOC. Rio de Janeiro: Pallas, CPDOC/FGV, 2007.

ARAÚJO, A. F. Participação política e o poder dos negros no Partidos dos Trabalhadores. 2004. Dissertação (Mestrado em Ciências Política) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda negra medo branco: o negro no imaginário das elites século XIX. 3. Edição. São Paulo: Annablume. 2008.

CORTES, S. Arcabouço histórico-institucional e a conformação de conselhos municipais de políticas públicas. Educar em Revista, Curitiba, Vol. 25, pg. 143-174. 2005.

FALLETI, T. G. Infiltrando o Estado: a evolução da reforma da saúde no Brasil- 1964-1988. Estudos Sociológicos, Araraquara, vol. 15, 2010.

IANNI (et. al.), Octávio. O negro e o socialismo. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo. (Coleção Socialismo em Discussão). 2005.

KOSSLING. K. Movimentos negros no Brasil entre 1964 e 1983. Perseu. Nª 2, ano 2. pp. 29-57. 2008.

LEITÃO, L. Oportunidades Políticas e Repertórios de Ação: o movimento negro e a luta de combate à discriminação racial. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Tese de Doutorado, 2012.

__________; SILVA. M. Institucionalização e Contestação: As Lutas Do Movimento Negro No Brasil (1970-1990). Revista Sociedade & Estado. No prelo.

MOURA, Carlos Alves & BARRETO, Jônatas Nunes (orgs.). A Fundação Cultural Palmares na III Conferência Mundial de Combate ao Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata. Brasília: Fundação Cultural Palmares. 2002.

MOURA, Clóvis. As injustiças de Clio. O negro na historiografia brasileira. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1990.

_________________. A encruzilhada dos orixás: problemas e dilemas do negro brasileiro. Maceió: EDUFAL, 2003.

MUNANGA, Kabengele. Negritude. Usos e sentidos. São Paulo: Editora Ática, 1986.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

__________________. O negro revoltado. 2. Edição. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira S/A, 1982.

OLIVEIRA, G. L. Permeabilidade e transito institucional: a relação entre sociedade civil e Estado a partir das trajetórias de militantes- gestores nas -políticas de economia solidárias no Rio Grande do Sul- os casos de Porto Alegre (1996- 2004) e do Governo Estadual (1999- 2002). Dissertação de Mestrado. 2011. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UFRGS. Porto Alegre.

PEREIRA, A. M. Trajetória e Perspectiva do movimento negro brasileiro. Belo Horizonte: Nandyaia, 2008.

RIOS, F. Institucionalização do movimento negro no Brasil Contemporâneo. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Universidade de São Paulo (USP). 2008.

SADER, Eder. Quando Novos Personagens entraram em cena. Experiências e Lutas dos trabalhadores da grande São Paulo 1970-1980.São Paulo. 2 ed. Paz e Terra, 1995.

SANTOS, I. A. A. O movimento negro e o Estado: o caso do conselho de participação e desenvolvimento da comunidade negra no Governo de São Paulo (1983-1987). 2001. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2001.

SILVA, M. K. Atores, Espaços e Repertórios: a atuação dos movimentos sociais através das fronteiras da sociedade civil e do Estado. No prelo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.