Possibilidades e limites na utilização da História de Vida na pesquisa sociológica

Douglas Menezes de Oliveira

Resumo


O presente artigo tem por objetivo apresentar as possibilidades de uso do instrumental metodológico da história de vida na pesquisa sociológica, sem perder de vista os limites encontrados nessa técnica de coleta de dados. Nesse sentido, faremos uma análise sobre a relação da teoria e empiria na construção do pensamento sociológico e a afinidade entre objeto e sujeito no modelo de produzir conhecimento científico. Abordaremos o caráter científico da história de vida, os impasses no processo de coleta e os problemas que surgem na relação com os interlocutores da pesquisa. A partir da revisão bibliográfica, esse trabalho visa contribuir para ampliação do debate teórico acerca da metodologia de pesquisa qualitativa no campo da Sociologia.

Palavras-chave:Sociologia, metodologia qualitativa, história de vida.

 

POSSIBILITIES AND LIMITS IN THE USE OF THE HISTORY OF LIFE IN SOCIOLOGICAL RESEARCH

 

Abstract

The present article aims to present the possibilities of using the methodological tools of life history in sociological research, without losing sight of the limits found in this technique of data collection. In this sense, we will analyze the relationship between theory and empirical construction of sociological thinking and the affinity between object and subject in the model of producing scientific knowledge. We will discuss the scientific nature of the life history, the impasses in the collection process and the problems that arise in the relationship with the research interlocutors. From the bibliographic review, this work aims to contribute to the expansion of the theoretical debate about the methodology of qualitative research in the field of Sociology.

Keywords:Sociology, qualitative methodology, life history

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. Introdução à Sociologia. São Paulo: Editora Unesp, 2008.

BECKER, Howard S. A história de vida e o mosaico científico. In: Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: HUCITEC, 1993.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, J. Usos & Abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1986.

___________. A profissão do sociólogo: preliminares epistemológicas. 2ª ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

COHN, Gabriel. A sociologia como ciência impura. In: ADORNO, Theodor. Introdução à Sociologia. São Paulo: Editora Unesp, 2008.

DEBERT, Guita. Problemas relativos à utilização da história de vida e história oral. In: CARDOSO, Ruth (Ogr.). A aventura antropológica: teoria e pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

KUNH, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1991.

MARTINS, Heloisa Helena de Souza. Metodologia qualitativa de pesquisa. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.2, p. 289-300, maio/ago, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ep/v30n2/v30n2a07.pdf. Acesso em 14 de Novembro de 2017.

PIRES, Álvaro. Sobre algumas questões epistemológicas de uma metodologia geral para as ciências sociais. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. 3ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2012. pp. 43-94.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.