Café, de Mário de Andrade: tensões e proximidades no pensar o Brasil

Natan Schmitz Kremer

Resumo


Resumo: O presente artigo discute tensões que marcam o romance Café, do modernista Mário de Andrade (2015), com obras de intelectuais que buscaram interpretar o Brasil. Faz um duplo movimento, construindo primeiro uma “teoria de São Paulo”, em suas discussões com reflexões dos intelectuais do Pensamento Social Brasileiro. Assim, pensamos nas proximidades e rupturas com estas teorias, reconhecendo escritos literários como documentos para a interpretação do Brasil. Percebemos que Mário de Andrade amplia o cenário étnico brasileiro, complexificando as discussões propostas por Gilberto Freyre (2006), introduzindo os migrantes italianos e sírio-libaneses, mas refletindo também sobre os desequilíbrios entre as diversas experiências da mestiçagem, com as quais trabalha Darcy Ribeiro (2006); em Mário, elas são narradas pela ironia, reconhecendo desníveis de poder na sociedade brasileira.

Palavras-chave: Mário de Andrade. Pensamento Social Brasileiro. São Paulo. Modernização. Modernidade.

 

Abstract: This paper argues about the tensions that characterizes the novel Café, from the modernist Mário de Andrade (2015), with the intelectual works who shought to interpret Brazil. It makes a double movement, building at first a “São Paulo theory”, in their arguments with reflections from the intelectual of the Brazilian Social Thought. Therefore, we think about the familiarities  and the ruptures with these theories, recognizing the literary writings as documents to Brazil’s interpretation. We realize, Mário de Andrade expands the Brazilian’s ethnical scenario, making difficult the discussions proposed by Gilberto Freyre (2006), introducing the Italian and Syrian-Lebanese migrants, but also reflecting about the imbalances among the several miscegenation experiences, in which works Darcy Ribeiro (2006); Mário narrated them ironicaly, recognizing the power unlevelness in Brazilian society.

Keywords: Mário de Andrade. Brazilian Social Thought. São Paulo. Modernization. Modernity.


Palavras-chave


Mário de Andrade; Pensamento Social Brasileiro; São Paulo; Modernização; Modernidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Heloísa Buarque. Quando o Metro era um palácio: salas de cinema e modernização em São Paulo. Caderno de Campo (USP), v, 5, 1996, p. 156-195.

ANDRADE, Mário de. Café. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015

ANDRADE, Mário de. Poesias completas (2 volumes). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

ANDRADE, Mário de . No cinema. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

ANDRADE, Mário de. Macunaíma – herói sem nenhum caráter. Rio de Janeiro: Agir, 2007.

ANDRADE, Mário de. Danças Dramáticas do Brasil (3 volumes). São Paulo: Livraria Martins Editor, 1959.

BANDEIRA, Manuel. Crônicas da província do Brasil. São Paulo: CosacNaify, 2006.

BENJAMIN, Walter.O Narrador: observações sobre a obra de Nikolai Leskow. In Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 2006.

BOTELHO, André. De olho em Mário de Andrade: uma descoberta intelectual e sentimental do Brasil. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador: história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

FIGUEIREDO, Tatiana Longo. Apresentação - Pausa para Café e Posfácio. In ANDRADE, Mario de. Café. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

FLORES, Maria Bernardete Ramos. Povoadores da Fronteira: os casais açorianos rumo ao Sul do Brasil. Florianópolis: EdUFSC, 2000.

FREYRE, Gilberto.Casa grande e senzala. São Paulo: Global, 2006.

GUIMARÃES, Júlio Castañon. Crônica das Crônicas da Província do Brasil. In BANDEIRA, Manuel. Crônicas da província do Brasil. São Paulo: CosacNaify, 2006.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

JARDIM, Eduardo. Mário de Andrade: Eu sou trezentos: vida e obra. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2015.

MIGUEL, Sali. Nur na Escuridão. Rio de Janeiro: TopBooks, 2000.

MONTEIRO, Pedro Meira (org). Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda: correspondência. São Paulo: Companhia das Letras/IEB/EDUSP, 2012.

ORTIZ, Renato. Imagens do Brasil. In Revista Sociedade e Estado, v, 28, nº 3, setembro/dezembro, p. 609-633, 2013.

PRADO, Antonio Arnoni. Trincheira, palco e letras: crítica, literatura e utopia no Brasil. São Paulo: CosacNaify, 2004.

PONTES, Heloísa. Teatro, gênero e sociedade (1940-1968). In Tempo Social, 2010, p. 29-46.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SIMMEL, George. As grandes cidades e a vida do espírito. In Mana, v. 11, nº 2, 2005.

VIEIRA, Alexandre Sardá. Sessão das Moças: História, Cinema, Educação (Florianópolis: 1943-1962). Tese. Programa de Pós-Graduação em História. Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina, 2010.

WOORTMANN, Klaas. Migração, família e campesinato. In Revista Brasileira de Estudos de População, 1990.

Recebido em: 17 de junho de 2020

Aceito em: 18 de julho de 2020

Forma de citar este texto (ABNT):

KREMER, Natan Schmitz. Café, de Mário de Andrade: tensões e proximidades no pensar o Brasil. Revista Café com Sociologia, Maceió, v.9, n. 1, p. 122-140, jan./jul. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Café com Sociologia

Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5


INDEXADORES


 



POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.