Apresentação: Ensino de Antropologia no Brasil

Amurabi Oliveira, Ceres Karam Brum

Texto completo:

PDF

Referências


DURHAM, Eunice R.; CARDOSO, Ruth Cardoso L. O ensino de Antropologia no Brasil. Revista de Antropologia, v. 9, n. 1-2, p. 91-108, 1961.

FARKAS, Melanie. O ingresso na escola de sociologia. In: KANTOR, Iris; MACIEL, Débora A.; SIMÕS, Júlio Assis (orgs.). A Escola Livre de Sociologia e Política: anos de formação 1933-1953: depoimentos. São Paulo: Sociologia e Política, 2009. p. 191-198.

GROSSI, Miriam Pillar. Ensino de Antropologia: uma "velha" história na ABA. In: In: GROSSI, Mirian Pillar; TASSINARI, Antonella, RIAL, Carmen. (Orgs.). Ensino de Antropologia no Brasil: formação, práticas disciplinares e além-fronteiras. Blumenau: Nova Letra, 2006, p. 7-11.

LIEDKE FILHO, Enno Dagoberto. A Sociologia no Brasil: história, teorias e desafios. Sociologias. v. 7, n.14, p. 376-436, 2005.

OLIVEIRA, Amurabi. A Antropologia no Ensino Médio: uma análise a partir dos livros didáticos. Cadernos de Estudos Sociais, v. 1 e 2, n. 28, p. 1-25, 2013.

______. Sobre o Lugar da Educação na Antropologia Brasileira. Temas em Educação, v. 24, n. 1, p. 40-50, 2015.

PEIRANO, Mariza. A antropologia como ciência social no Brasil. Etnográfica, v. 4, n2, p. 219-232, 2000.

RIAL, Carmen. A antropologia no Brasil. Boletín Colegio de Etnólogos y Antropólogos Sociales, A.C., v. 1, p. 67-73, 2014.

RUBIM, Christina de Rezende. Antropólogos Brasileiros e a Antropologia no Brasil: A Era da Pós-Graduação. 1996. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) "“ Universidade Estadual de Campinas, Instituo de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5


INDEXADORES


 



POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.