Das modalidades de intervenção política aos processos identitários: [di]visões de mundo e construção social de uma esquerda política

Jesus Marmanillo Pereira

Resumo


REIS, Eliana Tavares dos. Trajetórias, espaços e repertórios de intervenção política: um estudo sobre militantes que “lutaram contra a ditadura” no Rio Grande do Sul. Porto Alegre (RS): EDUFMA; ZOUK, 2015.

A obra Trajetórias, espaços e repertórios de intervenção política: um estudo sobre militantes que “lutaram contra a ditadura” no Rio Grande do Sul apresenta os resultados de estudos realizados pela professora Eliana Tavares dos Reis entre os anos de 1999 e 2006. Assim, o livro se propõe a realizar uma análise sobre as principais lideranças e partidos de esquerda no Rio Grande do Sul. 

Grosso modo, ela inicia o livro demonstrando três diferentes níveis analíticos que contemplam: 1) uma perspectiva endógena do trabalho de socialização, da construção de temas, das características e trajetórias sociais dos agentes, do trabalho coletivo e da fabricação da intervenção; 2) um viés micro e meso sociológico, focado nas posições e relações estabelecidas entre os grupos; e 3)uma abordagem que contempla aspectos macroestruturais vinculados ao contexto mais amplo de crise, vinculados à restrição e ao estímulo para o desenvolvimento de determinados repertórios de intervenção. A autora traz, assim, um referencial teórico bastante amplo, mesclando autores da Sociologia e da Ciência Política, o qual resulta em uma análise do militantismo difusa ancorada nas condições sócio-históricas do engajamento. 


Palavras-chave


Trajetórias, Repertórios, Militatismo

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

______. A economia das trocas linguísticas: O que Falar Quer Dizer. São Paulo: Edusp, 2008.

DOBRY, M.Sociologia de las crisis políticas. Madrid: CIS, 2008.

ELIAS, N. Modelos de jogos. In: ______. Introdução à Sociologia. Lisboa: Edições 70, 1999. p. 77-112.

GAXIE, D. Économie des partis et rétributions du militantisme. Revue française de science politique, v.27, n.1. Paris, Année, p. 123-154, 1977.

LANDÉ, Carl H. Introdution: the dyadic basic of cliemtelism. In: SCHIMIDT, S.W. et. al. (eds.). Friends, followers and factions. Berkeley: University of California Press, 1977,a,p.XIII-XXVII.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.