APONTAMENTOS PARA UMA AGENDA DE PESQUISA EM TORNO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS

Cristiano das Neves Bodart, Jesus Marmanillo Pereira, Jesus Marmanillo Pereira

Resumo


A proposta deste paper é apresentar um breve panorama teórico dos estudos em torno dos movimentos sociais a fim de destacar as principais correntes teóricas para então apresentar os esforços teóricos-metodológicos empreendidos por meio dos artigos que compõem o dossiê "movimentos Sociais", publicado na presente edição da Revista Café com Sociologia e, por fim, destacar alguns apontamentos para uma agenda de pesquisa em torno dos movimentos sociais. 

 

The paper´s purpose is to present a brief theoretical overview of the studies about social movements in order to highlight the main theoretical currents and then present the theoretical-methodological efforts undertaken through the articles that make up the dossier "social movements", published in the present edition of the Revista Café com Sociologia and, finally, to highlight some notes for a research agenda around social movements.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, A. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova [online]. n.76, p. 49-86, 2009.

BANASZAK, Lee Ann. Inside and outside the state: the movement insider status, tactics and public policy achievements. In: MEYER, David; JENNES, Valerie; INGRAM, Helen (eds.). Routing the opposition: social movements, public policy and democracy. Minneapolis: University of Minnesota Press, p. 149-176, 2005.

BODART, C. N. Atuação dos partidos políticos e dos movimentos sociais na construção e manutenção de um espaço institucionalizado de participação social. Tese de doutoramento. Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

BRINGEL, B. Com, contra e para além de Charles Tilly: mudanças teóricas no estudo das ações coletivas e dos movimentos sociais. Sociol. Antropol., Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 43-67, Jun., 2012.

COHEN, J. L.; ARATO, A. Civil society and political theory. Cambridge: MIT Press, 1992.

GONZALES, E.E.Z.; MARINHO JUNIOR, A.S. A POLÍCIA COMUNITÁRIA NO ESTADO DE GUERRERO NO MÉXICO: um movimento social na área da segurança pública. Revista Café com Sociologia, Macéio-AL,2017.

GAMSON, W. A. Movement impact on cultural change. In: PHOHL, S. et al. (eds.). Culture, power, and history. Boston: Brill Publishers, 2005.

GAMSON, W. A.; WOLFSFELD, G. WOLFSFELD, G. “Movements and media as interacting systems”. In: DALTON, R. D. (ed.). Citizens, protest, and democracy. American Academy of Political and Social Science, vol. 528, pp. 114-125, 1993.

GOHN, M. da G.. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. 10º.ed. São Paulo: Loyola, 2007.

HIRATA, F.; CÍCERO, P. H. de M. Apontamentos críticos às Teorias dos Novos Movimentos Sociais a partir de uma perspectiva de classe: Vidas Secas e os muitos “Fabianos”. Ideias, Campinas (SP), n. 2, nova série, 1º semestre, 2011.

MAIA, Rousiley C. M. Atores da sociedade civil e ação coletiva: relações com a comunicação de massa. Lua Nova, São Paulo, n. 76, pp.87-118, 2009

McADAM, D. The framing function of movement tactics: strategic dramaturgy in the American civil rights movement. In: ________; McCARTHY, J. D.; ZALD, M. N. (eds.). Comparative perspectives on social movements: political opportunities, mobilizing structures and cultural framings. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

McCARTHY, J. D.; ZALD, M. N. (eds.). Comparative perspectives on social movements: political opportunities, mobilizing structures and cultural framings. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

McCARTHY, J.; ZALD, M. Resource mobilization and social movements. American Journal of Sociology, no 82, pp. 1.212-1.241, 1977.

McCARTHY, J.; ZALD, M. The trends of social movements in America: professionalization and resource mobilization. Morristown: General Learning Press, 1973.

MELUCCI, A. Challenging codes: collective action in the information age. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

OLSON, Mancur. The logic of collective action. Cambridge: Cambridge University Press, 1965.

RYAN, C. Prime time activism: media strategies for grassroots organizing. Boston: South End Press, 1991.

TARROW, S. Power in movement. Social movements and contentious politics. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

TILLY, C. From mobilization to revolution. Newberry Award Records, 1978.

TOURAINE, A. Crítica da modernidade. Paris: Fayard. 1994.

TOURAINE, A. Le retour de l’acteur. Paris: Seuil, 1978.

SHEFNER, J. “Introduction: current trends in Latin American social movements”. Mobilization: an International Journal, vol. 9, no 3, 2004.

TABORDA, Luana do Rocio. RELAÇÕES ESTADO - SOCIEDADE: sobre associações, parcerias e normativas. Revista Café com Sociologia, Macéio-AL,2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.