RELAÇÕS ENTRE LINGUAGEM, PODER E GÊNERO: a categorização binária dos elementos sociais

Talita Gonçalves Medeiros, Joana Maria Pedro

Resumo


O presente artigo possui como finalidade investigar e problematizar como a linguagem age na categorização binária de elementos sociais. Essa ação, permeada pelas relações de poder nas sociedades, estimula, classifica e denomina o que cabe a cada sexo/gênero. Essa reflexão possui como suporte materiais resultantes de uma oficina ofertada na Universidade Federal de Rio Grande/RS "“ FURG no ano de 2016, cuja problemática objetivava tencionar e questionar o Gênero e a Cultura Material: relações econômicas, sociais e de poder, na constituição do espaço doméstico. A dinâmica de execução da oficina destinava-se, de forma provocativa, apresentar 10 imagens nas quais as/os participantes deveriam assinalar se o objeto apresentado era de "homem" ou de "mulher". A intenção com esta exposição das imagens era fazer com que as/os participantes compreendessem a importância relacional dos estudos de Gênero e como os elementos ali presentes eram atravessados por este viés. Vale ressaltar que no material recolhido das/os 6 (seis) participantes não foi assinalada em nenhuma das imagens que o objeto em destaque apresentava a problemática de gênero e que o material exposto era um campo relacional, e portanto, apenas foi assinalado "homem" ou "mulher" ao lado de cada imagem. Desta forma, esta escrita visa contribuir para a ampliação das pesquisas e debates no campo de estudos de Gênero e na construção de diálogos nos campos da linguagem e das relações de poder na História.

PALAVRAS CHAVE: Linguagem. Gênero. Poder. Sociedade. Binarismo.

RELATIONS BETWEEN LANGUAGE, POWER AND GENDER:

the binary categorization of social elements

ABSTRACT

This article aims to investigate and problematize how language acts in the binary categorization of social elements. This action, permeated by the relations of power in societies, stimulates, classifies and denominates what belongs to each sex/gender. This reflection is supported by materials resulting from a workshop offered at the Federal University of Rio Grande/RS - FURG - in the year 2016, whose problems were aimed at stressing and questioning Gender and Material Culture: economic, social and power relations, in the constitution of domestic space. The dynamics of the execution of the workshop were provocatively designed to present 10 images in which the participants should indicate if the object presented was "man" or "woman". The intention with this exposure of the images was to make the participants understand the relational importance of the studies of Gender and how the elements present there were crossed by this problematic. It is noteworthy that in the collected material of the 6 (six) participants it was not indicated in any of the images that the featured subject presented the gender problem and that the material exposed was a relational field and therefore was only designated "man" or "woman" next to each image. In this way, this writing aims to contribute to the expansion of research and debates in the field of Gender studies and in the construction of dialogues in the fields of language and power relations in History.

KEY WORDS: Language, Gender, Power, Society, Binarism


Palavras-chave


Linguagem, Gênero, Poder, Sociedade, Binarismo

Texto completo:

PDF

Referências


BEAVOUIR, Simone de. O Segundo Sexo. São Paulo: Difusão Europeia de Livros, 1967.

BUTLER, Judith. Corpos que importan. Sobre los limites materiales y discursivos Del "sexo". Buenos Aires, Barcelona, México: Paidós, 2012.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e Artefato: o sistema doméstico na perspectiva da cultura material "“ São Paulo, 1870- 1920. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/ Fapesp, 2008.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collége de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 23 ed.- São Paulo: Ediçoes Loyola, 2013.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

HALL, Catherine. Sweet Home. In: História da vida privada, 4: Da revolução Francesa à Primeira Guerra. (Org.) Michelle Perrot. "“ São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LAQUER, Thomas. Inventando o sexo. Corpo e Gênero dos Gregos a Freud. Rio de Janeiro; RelumeDumara, 2001.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes(org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2º ed., 3º reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 9.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

MCCLINTOCK, Anne. Couro Imperial. Raça, Gênero e Sexualidade no Embate Colonial. Campinas: Edunicamp, 2010.

MINDLIN, Betty. A panela feminina e feminista (cartas de mães e filhas) In: GALVÃO, Walnice Nogueira; GOTLIB, Nádia Battella (Orgs.). Prezado Senhor, Prezada Senhora: estudos sobre cartas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

PEDRO, Joana Maria. Mulheres honestas e mulheres faladas: uma questão de classe "“ Florianópolis: Ed. da UFSC, 1994.

PEDRO, Joana Maria (orgs.). Nova História das mulheres. São Paulo: Contexto, 2012

PEDRO, Joana Maria. Relações de Gênero como categoria transversal na historiografia contemporânea. Topoi, v. 12, n.22, jan-jun. 2011, p. 270 -283.

PERROT, Michele, Minha História das Mulheres. "“ 2º Ed., 1º .reimpressão "“ São Paulo: Contexto, 2013

PORTINARI. Denise. O discurso da homossexualidade feminina. São Paulo: Editora Brasiliense, 1989.

SCOTT, Joan. Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, 16(2). Jul/Dez. 1990, p.5-22.

WITTIG, Monique. El pensamento heterosexual y otros ensayos. Barcelona: Egales, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

INDEXADORES:

Google Acadêmico

Academia.edu

ANPOCS

DIADORIM

REDIB

Latindex

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5




POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.