A problemática micro/macro na Sociologia da Educação: um estudo comparativo entre as noções de habitus/campos (Bourdieu) e ação comunicativa/ação instrumental (Habermas)

Franciele Otto

Resumo


O presente estudo tem como tema de investigação o debate micro/macro, característico da sociologia contemporânea, partindo das obras de Pierre Bourdieu e Jurgen Habermas, com enfoque específico no campo educacional. A pesquisa justifica-se no sentido de produzir um trabalho comparativo que busque descrever, interpretar e correlacionar os significados sociológicos dos conceitos de habitus/campos na teoria social de Pierre Bourdieu e de ação comunicativa/ação instrumental na teoria social de Jurgen Habermas, no que diz respeito às suas análises da educação, partindo da seguinte pergunta: como a relação micro/macro ou individual/coletivo é operacionalizada por Bourdieu e Habermas no contexto da questão da educação? A metodologia utilizada é a investigação bibliográfica com as análises pautadas no método comparativo, a partir da abordagem da sociologia da educação. Analisou-se a trajetória e desenvolvimento do pensamento dos autores; fez-se uma descrição dos conceitos de habitus/campos e ação comunicativa/ação instrumental; e verificou-se a forma de aplicação destes conceitos nos objetos relacionados à educação.


Palavras-chave


Sociologia da Educação; Pierre Bourdieu; Jurgen Habermas

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, Antônio A. G. Professoras de Português, formação superior, matrimônio e leitura: um caso de estudo. Sociologia da Educação: pesquisa e realidade brasileira. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007. P. 79-109.

CATANI, Afrânio; CATANI, Denice B; PEREIRA, Gilson R. De M. As apropriações da obra de Pierre Bourdieu no campo educacional brasileiro, através de periódicos da área. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, n. 17, p. 63-85, maio/jun/jul/ago 2001.

CATANI, Afrânio; PEREIRA, Gilson R. De M. Espaço social e espaço simbólico: introdução a uma topologia social. Perspectiva. Florianópolis, v. 20, n. especial, p. 107-120, jul/dez 2002.

GONÇALVES, Maria Augusta S. Teoria da ação comunicativa de Habermas: Possibilidades de uma ação educativa de cunho interdisciplinar na escola. Educação & Sociedade. Campinas, vol XX, n. 66, p. 125-140, abril 1999.

LAHIRE, Bernard. Reprodução ou prolongamentos críticos? Educação & Sociedade. Campinas, vol XXIII, n. 78, p. 37-55, abril 2002.

LONGHI, Armindo José. A ação educativa na perspectiva da teoria do agir comunicativo de Jurgen Habermas: uma abordagem reflexiva. 2005. Tese (Doutorado em Educação) "“ Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

MACEDO, Elizabeth Fernandes de. Pensando a escola e o currículo à luz da teoria de J. Habermas. Revista Em Aberto. Brasília, vol 12, n. 58, p. 38-45, abril/junho 1993.

MEDEIROS, José W. De Morais. O espaço da comunicação em Jurgen Habermas: reflexões para a educação. Anais do IV Encontro do Núcleos de Pesquisa da Intercom, 2004.

NOGUEIRA, Cláudio M. M; NOGUEIRA, Maria Alice. A sociologia da educação de Pierre Bourdieu: limites e contribuições. Educação & Sociedade. Campinas, vol XXIII, n. 78, p. 15-36, abril 2002.

OTTO, Franciele. Formas de acompanhamento escolar que predispõem ao sucesso escolar em famílias das classes populares. Revista Travessias, v. 1, 2007.

OTTO, Franciele ; KOHLER, Rafaela F. . Desigualdades frente à escola e à cultura: estudo a partir das formas de acompanhamento escolar e dos valores sócio-cognitivos que predispõem ao sucesso escolar em famílias das classes populares. Atos de Pesquisa em Educação, v. 2, p. 123-144, 2007.

SETTON, Maria da G. J. Professor: Variações sobre um gosto de classe. Educação e Sociedade, n.47, abr/1994, p.73-97.

SILVA, Marilda da. O habitus professoral: o objeto dos estudos sobre o ato de ensinar na sala de aula. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, n. 29, p. 152-163, maio/jun/jul/ago 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

Revista Café com Sociologia é uma publicação semestral, voltada para o debate sobre temas relevantes das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) e da docência dessas ciências.

ISSN: 2317-0352

 

Na avaliação QUALIS para o quadriênio 2013-2016 a Revista Café com Sociologia foi assim avaliada:

LETRAS / LINGUÍSTICA =B2

ENSINO = B3

SERVIÇO SOCIAL =B3

INTERDISCIPLINAR = B4

PSICOLOGIA = B4

SOCIOLOGIA = B5

HISTÓRIA = B5

ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA = B5

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO = B5

HISTÓRIA = B5


INDEXADORES


 



POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS

Os artigos recebidos passam por quatro etapas:

1ª Etapa:uma primeira avaliação realizada por integrantes do conselho editorial. Nesse momento são observados: i) se não há no texto indicação de autoria, a fim de garantir um processo de avaliação às cegas; ii) se o texto enquadra-se no foco da revista; iii) se o texto apresenta clareza quanto ao problema de pesquisa, o objeto, o método e os resultados alcançados e; iv) se atende as diretrizes de formatação do texto (ver diretrizes para autores). Os textos que não atenderem a um desses aspectos será arquivado e não enviado aos pareceristas, que é etapa seguinte. 

2ª Etapa: os textos são enviados a dois pareceristas que avaliarão às cegas a pertinência, a originalidade, a clareza e a qualidade do trabalho e da redação. Ao fim dessa avaliação emitirão um parecer, podendo ser “aprovado”, “favorável à aprovação com recomendações de ajustes”, “enviar para uma segunda rodada” e “reprovar”. A análise de mérito é realizada por dois pareceristasad hoc. Em caso de discordância entre os dois pareceres, solicita-se uma terceira avaliação. Os textos para serem aprovados precisam de duas posições favoráveis à publicação, ainda que com indicações de ajustes. Os textos que forem recomendados “enviar para uma segunda rodada” serão encaminhados aos autores para ajustes e retornará para os mesmos avaliadores para obter um parecer decisivo.

3ª Etapa:Os textos aprovados serão reenviados aos autores para ajustes necessários e/ou desejáveis e, posteriormente, em prazo estipulado pela comissão editorial, reenviados para serem examinados pelos editores que observará se os ajustes, aos que foram solicitados, foram devidamente realidados. 

4ª Etapa:Os textos finalizados são encaminhados para a diagramação e posterior publicação.

OBS: O processo é organizado de modo a presevar a identidade da autoria e da avaliação.